Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Vigilantes contratados por empresas que prestam serviço a Prefeitura de Feira são obrigados a assinar contrato como serviços gerais; “Humilhação”

Vigilantes contratados por empresas que prestam serviço a Prefeitura de Feira são obrigados a assinar contrato como serviços gerais; “Humilhação”

O governo do prefeito de Feira de Santana Colbert Martins (MDB), pratica mais uma humilhação contra os trabalhadores que são contratados por empresas terceirizadas. Reclamações chegam a todo momento, que os trabalhadores que atuam como vigilantes, estão sendo obrigados a assinar a carteira de trabalho como agentes de serviços gerais.

A ideia seria para que os trabalhadores não tenham direitos a benefícios específicos financeiros que requer a profissão, como adicional de risco, adicional noturno e outros. Eles assinam o contrato como serviço gerias, mas, trabalham como vigilantes o que deixam os servidores descobertos perante o INSS e outros benefícios.

Mais uma vez, os trabalhadores que no período da campanha eleitoral aturam diuturnamente para reeleger o prefeito Colbert Martins, já que a maioria são indicados por políticos aliados ou cabos eleitorais, passam por mais essa humilhação. São contratados como agentes de serviços gerais e trabalham como vigilantes, agentes de portaria e até recepcionistas.

Sem poder reclamar para não ficar desempregados, os trabalhadores recorrem a imprensa na esperança da Câmara Municipal intervir e levar o caso ao Ministério Público, para que possa denunciar ao Ministério do Trabalho e assim coibir este abuso absurdo.

A fiscalização é fácil de ser feita, basta os vereadores visitar qualquer unidade da prefeitura que tenham vigilantes e agentes de portaria e perguntar como sua carteira é assinada e terá um amplo material para denunciar o descaso.

Ainda há outras reclamações que são absurdas, como: falta de pagamento de salários, rateios, e até rescisão. Relatos de que muitos assinaram rescisões e nunca receberam os valores que estavam no documento.

Informações: Rota da Informação

OUTRAS NOTÍCIAS