Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Terapia Assistida por Animais segue proporcionando benefícios aos pacientes internados no HEC

Terapia Assistida por Animais segue proporcionando benefícios aos pacientes internados no HEC

 

HEC

Com o intuito de proporcionar benefícios emocionais, psicológicos e sociais para os pacientes internados, a fim de que os mesmos apresentem melhoras significativas durante o período de internamento, o Hospital Estadual da Criança (HEC) / Liga Álvaro Bahia Contra a Mortalidade Infantil (LABCMI) continua realizando sessões da Terapia Assistida por Animais (TAA) na unidade.

A ação está proporcionando às crianças a realização de fisioterapia de uma forma dinâmica, com interesse e ânimo por parte dos pacientes – o que é mais difícil durante a realização da fisioterapia convencional. De acordo com a fisioterapeuta idealizadora da TAA no HEC, Itana Nogueira, em todas as sessões é possível perceber benefícios tanto motores e sensoriais quanto emocionais nos pacientes que participam.

“As crianças internadas na UTI Pediátrica, por exemplo, passaram a semana inteira falando das experiências que tiveram e pedindo pra brincar com os animais de novo. Crianças que não queriam fazer fisioterapia e não queriam sair do leito treinaram marcha, estimularam o condicionamento cardiorrespiratório e não queriam nem voltar mais para os leitos”, conta.

A fisioterapeuta acrescenta: “Tivemos uma criança internada aqui no HEC que tinha dificuldade de expressar a linguagem oral e, no dia que desceu para participar da ação, conversou bastante, super empolgada! Também já tivemos uma criança que tinha pouca interação com a equipe, constantemente triste, e, quando participou da TAA, ficou feliz, sorridente, querendo levar o cachorro para casa”.

Caso de paciente beneficiado com a terapia – Um dos pacientes que sempre participa das sessões da Terapia Assistida por Animais é A.N.S., 10 anos. Segundo a mãe dele, Flaviana Neres Santos, desde que a TAA começou a ser realizada, foram perceptíveis as melhoras que ele apresentou.

“Acho muito positiva essa ação. Na primeira sessão, meu filho só mexia os olhinhos; nas segunda e terceira sessões ele já conseguiu movimentar uma das pernas e um dos braços que antes ele nem movia. Fico muito feliz com os resultados da TAA e torço para que continue acontecendo porque, assim, meu filho vai melhorar cada vez mais”, afirma a mãe.

Segundo Girlane Santiago, coordenadora do Centro de Reabilitação do HEC, especificamente sobre o paciente em questão, ele possui uma sequela neurológica e apresentava, inicialmente, dificuldades motoras. “Na primeira sessão que ele participou, estava sem movimentação ativa e nem mesmo controlando o movimento da cabeça”, declara.

A coordenadora complementa: “Quando ele viu os animais e tocou neles com a ajuda da equipe, ficou muito feliz e tentando controlar a cabeça para acompanhar os movimentos dos animais. A partir desse dia, a equipe do internamento percebeu que ele começou a evoluir, ganhando movimentos nos membros e melhorando o controle da cabeça. Isso para nós é muito gratificante”.

Sobre a TAA – A intervenção é realizada quinzenalmente, às segundas-feiras, em pacientes que possuem liberação prévia dos médicos que os acompanham.  De iniciativa da equipe de reabilitação do HEC, a TAA também conta com a ajuda de profissionais da equipe multidisciplinar, a exemplo de psicólogos e pedagoga.

 

ASCOM | HEC

OUTRAS NOTÍCIAS