Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Salvador avalia medidas de isolamento para reduzir aceleração de novos casos de Covid-19

Salvador avalia medidas de isolamento para reduzir aceleração de novos casos de Covid-19

O crescimento acelerado no número de casos de coronavírus somado à consequente pressão nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) têm feito a Prefeitura de Salvador pensar em retomar medidas de isolamento social. A situação foi explicitada pelo prefeito Bruno Reis (DEM), em coletiva de imprensa para entrega de geomanta, em Matatu de Brotas, na manhã desta sexta-feira (12).

Na ocasião, Bruno ressaltou que “a preocupação é real” e independente de estarmos diante do fim de semana de Carnaval, já que os números vêm crescendo há mais tempo.

“Não está descartada a possibilidade. Se continuar os números como estão, na semana que vem adotaremos medidas de isolamento social. Nunca quis isso, em nenhum momento adotamos medidas de restrições porque os números vinham estáveis, com a média móvel que tínhamos capacidade de administrar, mas a gente começa a perceber curva ascendente crescendo de forma muito mais rápida”, destacou Bruno.

Ao falar em números, ele destrinchou uma série de fatores que deixam a gestão em estado de alerta. Um deles é a taxa de ocupação, atualmente em 72%. Mas nesse caso, tanto a prefeitura quanto o governo do estado têm corrido para reabrir leitos.

“De hoje pra domingo, 40 leitos foram reabertos (20 de Salvador e 20 do governo do estado). O estado, inclusive, já começa a se organizar para abrir novamente o Hospital de Campanha da Fonte Nova”, disse o prefeito. Em entrevista ao Bahia Notícias na semana passada, o secretário de saúde do Estado, Fábio Vilas-Boas, afirmou que o espaço será reativado quando a ocupação atingir 85%.

Sendo assim, o maior risco está nos índices de casos novos diários, fator RT (transmissão) e a velocidade de aceleração. “Efetivamente tem risco real de estar circulando outra cepa na cidade, muito mais agressiva que tem feito números crescerem a ponto de trazer grande preocupação”, afirmou, acrescentando que, nesta quinta, a tela do estado indicou 83 pacientes para serem regulados, à espera de leitos Covid-19 para enfermaria. “Nossas UPAs tinham 18 pessoas dependendo de novos leitos”, frisou.

A reação até o momento tem sido reabrir leitos e abrir novos gripários, como em Valéria e São Cristóvão. Porém, reconhecida a dificuldade em instalar ainda mais postos para pacientes Covid-19, a gestão municipal pede respeito pelos protocolos de saúde.

Informação – Bahia Notícias

OUTRAS NOTÍCIAS