Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Projeto de estudantes que valoriza escritoras negras e indígenas conquista primeiro lugar em feira científica no MS

Projeto de estudantes que valoriza escritoras negras e indígenas conquista primeiro lugar em feira científica no MS
As estudantes Aline Magalhães de Jesus, 17, 3º ano do Ensino Médio, e Emille Rayane Pereira, 16, 2º ano do Ensino Médio, do Colégio Estadual Grandes Mestres Brasileiros, localizado no município de Matina, no Oeste baiano, conquistaram o primeiro lugar na área de Linguística, com o projeto científico “A ausência da produção textual de escritoras negras e indígenas brasileiras nos livros didáticos de língua portuguesa do ensino médio – uma análise sob a ótica da interseccionalidade”, na XI Feira de Tecnologias, Engenharias e Ciências de Mato Grosso do Sul (FETEC-MS), que ocorreu de forma virtual, de 8 a 12 de novembro. Como prêmio, as estudantes receberão um troféu e medalhas de ouro.
A estudante Aline de Jesus refletiu sobre o aprendizado obtido com a pesquisa. “Antes, eu não me atentava se nos livros que a gente tinha acesso possuía autoras negras ou indígenas, o quanto isso é imposto em todos os lugares e ninguém se dá conta. Receber esse prêmio simboliza que as pessoas se alertaram para essa questão, que realmente perceberam o quanto essas mulheres estavam sendo apagadas e que isso pode mudar”, disse.
Para a sua colega de pesquisa Emille Pereira, o reconhecimento do projeto é fruto de muito empenho. “Me sinto feliz e orgulhosa por termos sido as únicas representantes da Bahia na feira, apesar de que essa exclusividade também representava ausência. Mas, saber que fizemos isso bem traz uma sensação inexplicavelmente confortante pro meu coração, pois nos dedicamos muito nesta pesquisa”, afirmou.
Segundo a professora e orientadora do projeto, Janildes Chagas, o reconhecimento do projeto servirá de inspiração para que outros estudantes se destaquem na área da  pesquisa científica. “Penso que o processo de orientá-las foi um processo de pavimentação de caminhos para que outros estudantes se apropriem do campo de pesquisa e acreditem que não há áreas do conhecimento com privilégios, mas que as diferentes áreas se completam e, por isso, devem ser dadas a elas o mesmo peso de importância.
Sobre a feira – Realizada pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) e organizada pelo Grupo Arandú de Tecnologias e Ensino de Ciências (GAT), a feira é considerada a maior da região centro-oeste do país. Participam estudantes do 4º ao 7º ano (inclusos na categoria FETECMS JÚNIOR); 8º e 9º ano do Ensino Fundamental, do 1º ao 3º ano do Ensino Médio, incluindo Educação de Jovens e Adultos (EJA); e alunos do 1º ao 7º semestre do ensino técnico (inclusos na categoria FETECMS) de deferentes regiões do Brasil.
Informações: SEC

OUTRAS NOTÍCIAS