Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Linhas de transporte público rurais abandonadas pela ROSA serão assumidas em caráter emergencial pelo Grupo Evangelista

Linhas de transporte público rurais abandonadas pela ROSA serão assumidas em caráter emergencial pelo Grupo Evangelista

Dentro de 30 dias, o Grupo Evangelista (Gevan) assume, em caráter emergencial e por tempo determinado, a operação das onze linhas rurais do “Lote A Norte” da Empresa Rosa. O novo contrato foi assinado pelo prefeito Colbert Martins Filho no final da tarde de ontem, 28, no Paço Municipal Maria Quitéria.

O atendimento será feito com 16 ônibus (frota operacional e reserva) nas linhas 50-São José/Praça do Tropeiro via Carro Quebrado, 51-Candeal, 52-Candeia Grossa/Praça do Tropeiro, 54-KM 13; 55-Matinha, 56-São José/ Pé de Serra, 97-Tapera/Gerezim, 98-Mantiba/Santa Rita, 99-Candeal II/Matinha, além da 123-SãoJosé/Fazenda Morro/Terminal Norte e 124-Santa Quitéria/Adelba/Terminal Norte.

Os usuários destas comunidades ainda poderão utilizar o cartão Via Feira no sistema de bilhetagem eletrônica para integrar em terminais de transbordo, estações BRT (Bus Rapid Transit) ou durante o percurso dos ônibus, no intervalo de 1h.

O secretário de Transportes e Trânsito, Saulo Figueiredo, afirma que a “expertise [da empresa] e a segurança da continuidade do serviço essencial, nos próximos 180 dias, foram essenciais na escolha do novo operador”. O grupo empresarial possui 52 anos de experiência e atua no transporte urbano de Salvador e Região Metropolitana.

O serviço emergencial será remunerado com a tarifa de transporte público e a diferença no custo da operação pela Prefeitura. “Com a retomada do número de passageiros ao sistema reduziremos de forma gradual o déficit”, explica Saulo.

SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA

Em outubro do ano passado, o prefeito Colbert Filho declarou situação de emergência e ainda intervenção parcial no transporte público urbano e na Via Feira.

À época, além de sucessivas paralisações que deixaram a população desassistida, a Empresa Rosa abandonou quatro linhas rurais e ingressou um pedido de rescisão contratual na Justiça contra o Município.

Informações: SECOM

OUTRAS NOTÍCIAS