Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Jovem que atropelou namorada dirigia a 95 km/h com ela no capô, diz perícia

Jovem que atropelou namorada dirigia a 95 km/h com ela no capô, diz perícia

O carro dirigido pelo jovem Rafael de Souza Carrelo, de 19 anos, que se acidentou no dia 15 de maio e acabou matando atropelada Mariana Vitória Vieira Lima, da mesma idade, namorada do motorista, estava a 95 km/h, segundo a perícia. Ele conduzia o veículo pelas ruas de Campo Grande (MS) enquanto ela estava pendurada no capô. As informações são do UOL.

Segundo a reportagem, o carro de Rafael derrapou em uma curva na entrada de uma avenida, fazendo com que ele perdesse o controle e batesse no meio-fio. Com a batida, a jovem foi arremessada e o rapaz acabou atropelando a própria namorada, de acordo com as investigações.

O laudo foi concluído mais de 40 dias após o acidente e entregue ao Ministério Público. Segundo o documento, ele estava em alta velocidade momentos antes de entrar na avenida em que o acidente ocorreu, o que foi determinante para a tragédia.

De acordo com o documento, o carro precisaria estar a no máximo 88 km/h para fazer a curva de entrada na avenida sem que houvesse perda de estabilidade.

Agora o Ministério Público terá um prazo de 10 dias para se manifestar sobre caso e decidir se pedirá modificação no indiciamento de Rafael, que responde por homicídio culposo, quando não há intenção de matar.

Ele foi preso em flagrante no dia do acidente e acusado de homicídio por crime de feminicídio, porém a Justiça acabou a justificativa do jovem na audiência de custódia, que alegou que o acidente aconteceu após uma brincadeira de casal. Essa decisão mudou a tipificação do crime e transformou a prisão em flagrante para domiciliar, com o uso de tornozeleira eletrônica.

Ao ser preso, Rafael teria dito aos policiais que ele e a namorada estavam bebendo em um bar e acabaram brigando. Ela teria tentado impedi-lo de sair dirigindo embriagado e se pendurou no veículo.

Horas depois, em depoimento na delegacia, ele mudou a versão e disse que os dois estavam bêbados e acabaram decidindo fazer uma brincadeira. Que ele teria subido primeiro no capô e ela dirigido, e que depois eles teriam trocado, para ela no capô com ele na direção.

Informações: IstoÉ

OUTRAS NOTÍCIAS