Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Doação de Órgãos; “O maior problema é a negativa familiar”, diz enfermeira

Doação de Órgãos; “O maior problema é a negativa familiar”, diz enfermeira

Setembro Verde promove um estande para conscientização da doação de órgãos em Feira de Santana.O evento é promovido pela Organização à Procura de Órgãos de Feira de Santana com o objetivo de  incentivar as pessoas a registrarem o desejo perante a família em ser doador de órgãos após o  falecimento.

Conforme a enfermeira da Organização à Procura de Órgãos, Aline Janaína Souza, o maior problema da baixa oferta de órgãos é a negativa familiar. “Vamos está explicando o que é preciso fazer, as dúvidas referente ao diagnóstico da morte encefálica, como é  o nosso diagnóstico para captação de múltiplos órgãos e todas as etapas que não podem ser puladas e precisam ser rigorosamente seguidas”, disse.

A pandemia impactou diretamente no banco de órgãos. “O impacto foi muito grande, teve meses que não captarmos nenhum órgão.Chegamos a captar três órgãos no mês de outubro de 2019 em Feira de Santana, ”, afirmou Aline.

O estande ficará localizado na avenida Getúlio Vargas, em frente à uma loja de Informática durante todo mês de setembro.

Setembro Verde busca conscientizar a população

Recomeço, empatia e amor, doar órgãos pode salvar inúmeras vidas. A campanha “Setembro Verde”, busca conscientizar e esclarecer a população acerca do tema.

A doação de órgãos consiste na reposição de um órgão como coração, fígado, pâncreas, pulmão, rim, ou tecido, medula óssea, ossos, córneas, de uma pessoa doente por outro órgão ou tecido normal de um doador, que pode ser vivo ou falecido.

Queda de doadores de medula óssea

Em 2020, o Registro de Doadores de Medula Óssea no Brasil registrou queda de 30% no número de doações entre os meses de janeiro e julho em comparação com o ano anterior.

De acordo com Ciça Pires, coordenadora da ONG Doadores por Amor em Feira de Santana, existem mais de 800.000 mil pessoas esperando a doação de medula no Brasil. “Eu costumo dizer, doe em vida, em vida! Doa em vida o que não vai fazer falta, a medula óssea, por exemplo, com 15 dias que você doou ela se reconstitui novamente”, disse.

Para  ser doador de medula é preciso:

– Ter entre 18 e 55 anos;

– Bom estado de saúde;

– Não apresentar doença infecciosa ou incapacitante, câncer, doenças no sangue ou do sistema imunológico.

Informações; Conectado News

OUTRAS NOTÍCIAS