Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Diretor do Hospital Clériston Andrade afirma que mesmo com super lotação nunca recusou atendimento a nenhum paciente

Diretor do Hospital Clériston Andrade afirma que mesmo com super lotação nunca recusou atendimento a nenhum paciente

Diretor-do-HGCA-640x360

Após o caso da criança que morreu aos pés da mãe no dia de ontem (09), onde o pai da vítima alega falta de atendimento médico no Hospital Clériston Andrade,  o diretor da Unidade Hospitalar, José Carlos Pitangueira informou que a paciente foi devidamente atendida e que no momento não estava em trabalho de parto por isso foi liberada.

“É correto afirmar que o Clériston Andrade acolhe pacientes de todo interior da Bahia e que mesmo super lotado realizou os procedimentos necessários com a paciente. Não é fácil para um hospital do porte do Clériston realizar vários tipos de atendimento e mesmo não havendo disponibilidade de vagas, assumi o compromisso de acolher o paciente e realizar os primeiros socorros. Tudo isso é feito para não deixar este mesmo cidadão sem atendimento”, esclarece Pitangueira.

Há anos a administração de José Carlos Pitangueira é admirada e parabenizada por toda população. Mesmo as pessoas que não utilizam dos seus serviços, mas tem alguém que já precisou ou precisa do atendimento é enfático em pontuar as mudanças positivas que ocorreram dentro do hospital desde a chegada de Pitangueira.

Toda equipe do hospital recebeu com pesar a noticia do falecimento da criança, mas tem a consciência limpa do dever cumprido. Tudo que estava ao alcance da equipe médica foi feito durante a entrada da paciente, o fato nada tem haver com o Hospital.

Ao contrário do que era noticiado há alguns anos atrás sobre a administração e neglicencia existentes nesta unidade, não mais acontece desde de Pitangueira entrou no hospital. Para tanto, não podemos manchar a imagem desta conceituada instituição com a noticia de uma tragedia que não aconteceu no hospital e nem tão pouco tem qualquer responsabilidade pelo fato acontecido.

A assessoria de imprensa do HGCA informa que a paciente foi atendida por volta das 18 horas e que o médico avaliou a paciente, que não estava em trabalho de parto. Ainda conforme a assessoria, a médica que examinou a paciente concluiu que não se tratava de uma paciente de alto risco.

OUTRAS NOTÍCIAS