Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Com aumento do Diesel, Bolsonaro quer “guerra” contra os abusos da Petrobras

Com aumento do Diesel, Bolsonaro quer “guerra” contra os abusos da Petrobras

A mudança no Ministério da Minas e Energia é uma resposta imediata do presidente Jair Bolsonaro ao reajuste do diesel anunciado pela Petrobras há dois dias, mas troca vai mais além de uma resposta política a seus apoiadores – em especial os caminhoneiros.

Bolsonaro quer uma forma de o governo segurar reajustes da petroleira, que considera abusivos, de acordo com auxiliares de Bolsonaro ouvidos pelo blog.

O presidente vem conversando com auxiliares sobre centrar fogo contra a Petrobras no Cade, onde já há dois inquéritos administrativos que questionam supostos abusos da empresa no mercado de combustíveis.

O novo ministro, Adolfo Sachsida, é um dos mais ferrenhos bolsonaristas da esplanada. Estava na equipe que desenvolvia um plano econômico para um governo do então candidato Jair Bolsonaro antes mesmo de Paulo Guedes entrar para o time, em 2018.

Depois da eleição de Bolsonaro, Sachsida foi sondado para outros cargos no governo, mas quis ficar na Secretaria de Política Econômica.

Sua ida para o MME vai além de reagrupar a influência de Paulo Guedes no governo, pelo trânsito que o próprio Sachsida tem com o presidente. Doutor em economista, sachsida é um entusiasta das ideias de Guedes.

A escolha mostra Bolsonaro indicando auxiliares fiéis a ele e a suas ideias para cargos que considera chave para sua reeleição. O MME chegou a ser alvo do centrão no ano passado. Durante a CPI da Covid, que causou danos à imagem do governo, o centrão tentava negociar o cadeira de Bento Albuquerque com o MDB em troca de mais apoio na comissão do Senado. À época, Bolsonaro não cedeu.

Faz a troca agora por colocar na conta de Albuquerque a indicação do novo presidente da Petrobras, José Mauro Coelho, e o que chama de falta de sensibilidade da petroleira com a situação econômica do país e os reajustes nos combustíveis.

Fonte: g1.globo.com

OUTRAS NOTÍCIAS