Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Esquerda tenta reduzir favoritismo de Bolsonaro entre evangélicos

Esquerda tenta reduzir favoritismo de Bolsonaro entre evangélicos

Na tentativa de diminuir as chances de reeleição de Jair Bolsonaro (sem partido), candidatos de oposição ao governo iniciaram ofensiva para tentar ampliar o diálogo e diminuir o favoritismo do presidente no segmento evangélico.

O grupo religioso, que hoje representa quase um terço da população brasileira, tornou-se um dos pilares de sustentação da atual gestão e tem ajudado o presidente a manter um patamar de aprovação de 30% mesmo diante do recorde de mortes pelo coronavírus.

O movimento para tentar reverter apoios a Bolsonaro tem sido capitaneado sobretudo pelos partidos de esquerda que, nos últimos anos, perderam prestígio junto a denominações evangélicas por causa do avanço da chamada pauta de costumes, uma bandeira eleitoral do presidente.

O principal argumento das legendas de oposição é que, ao adotar uma defesa da flexibilização do porte de armas e uma postura negacionista diante da pandemia do coronavírus, o presidente tem contrariado princípios fundamentais do cristianismo, como o amor ao próximo e a defesa à vida.

“O segmento evangélico apoiou a pauta de costumes, não o presidente. Hoje, vejo que parcela do segmento está se distanciando dele, porque ele contraria os valores cristãos”, afirma o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi.

Atualmente o nome da esquerda com melhor desempenho nas pesquisas eleitorais, o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem discutido a elaboração de uma carta pública a segmentos religiosos, entre eles o evangélico, colocando-se à disposição para diálogo.

A ideia é que o documento seja distribuído em templos, igrejas e terreiros e ressalte a importância das medidas de isolamento social e a solidariedade com a população vulnerável, que tem passado fome com a paralisação da atividade econômica. Nas próximas semanas, Lula também pretende se reunir com integrantes da bancada evangélica que já apoiaram governos petistas. Quer incluir visitas a templos religiosos na agenda de viagens que pretende fazer no segundo semestre.

A ideia é que o périplo de Lula tenha início em cidades e estados que sejam governados por petistas e nos quais líderes evangélicos tenham maior abertura ao diálogo com o provável candidato do PT em 2022.

Dias atrás, o ex-candidato a prefeito de São Paulo Guilherme Boulos, do PSOL, também fez um gesto em direção ao segmento evangélico.

Em um encontro intermediado pelo empresário Walfrido dos Mares Guia, o pré-candidato à disputa presidencial se reuniu com o presidente nacional do Republicanos, Marcos Pereira, bispo licenciado da Igreja Universal.

Na ocasião, Boulos disse ter a intenção de disputar o Governo de São Paulo. Pereira diz que ele “causou uma boa impressão”, mas que dificilmente o partido se aliará ao líder do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto). “Há um abismo entre as pautas muito grande”, afirmou o dirigente à reportagem.

A aliados o presidente do Republicanos disse que está aberto a conversas com quadros considerados de outros campos ideológicos, mas avalia que a probabilidade maior é de a sigla formar uma aliança de centro-direita, e não de esquerda.

Para quadros relevantes do partido, a tendência hoje é apoiar a reeleição de Bolsonaro, mas, caso o presidente continue com a popularidade em queda, o Republicanos deverá buscar a terceira via com outros partidos de centro.

Como Lula e Boulos, o pré-candidato do PDT, Ciro Gomes, também faz programação para promover encontros com o segmento evangélico. No final do ano passado, um grupo de eleitores que apoiou em 2010 e em 2014 a então candidata presidencial Marina Silva, da Rede, criou o movimento Cristãos Trabalhistas dentro do PDT.

O coordenador do núcleo partidário é o pastor Alexandre Gonçalves, da Igreja de Deus no Brasil, que recentemente teve uma conversa com Ciro. “Ele defende a necessidade de se quebrar preconceitos entre o segmento evangélico e o campo da esquerda.

“Há uma dificuldade no meio evangélico de se comunicar com os políticos, sobretudo com os políticos que estão dentro da centro-esquerda e da esquerda. E entendemos que esse preconceito é mútuo e vem também da esquerda em relação aos evangélicos”, disse. “

O pastor ressalta que seu esforço tem sido o de estabelecer uma ponte, romper o preconceito e, nas palavras dele, “tentar diminuir esse apoio sebastianista a Bolsonaro”.

“Os direitos trabalhistas, o transporte digno e as férias remuneradas são a maior defesa da família, porque eles permitem que os pais tenham mais tempo com seus filhos. A defesa da família envolve muito mais que os trabalhadores tenham direitos justos.”

A ofensiva dos candidatos de esquerda fez com que Bolsonaro iniciasse na última semana uma reaproximação com pastores evangélicos que apoiam a sua gestão.
No Palácio do Planalto, o presidente da República recebeu em audiências privadas o pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, e o pastor Fábio Sousa, da Igreja Fonte da Vida.

Na sexta-feira passada (23), o presidente viajou a Manaus, onde se reuniu com líderes evangélicos. O movimento da esquerda em direção a setores que apoiaram Bolsonaro em 2018 preocupou deputados e senadores governistas que, desde o início deste mês, têm alertado o presidente sobre a necessidade de ele fazer uma contraofensiva.

“A ideologia de vocês [esquerda] é totalmente contrária à ideologia de um verdadeiro cristão”, reagiu Malafaia em um vídeo divulgado na quinta-feira passada (22), gravado dias após o encontro com Bolsonaro. “Isso é a ideologia de vocês, que é 100% contrária à ideologia de um verdadeiro cristão.”

O presidente avalia fazer, também no segundo semestre deste ano, uma espécie de périplo por templos evangélicos. Bolsonaro quer ainda reforçar que, desta vez, cumprirá a promessa de indicar um jurista “terrivelmente evangélico” para o STF (Supremo Tribunal Federal).

Adventista, o presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça), Humberto Martins, tem ganhado força junto à equipe do presidente e a denominações evangélicas para substituir o ministro decano Marco Aurélio Mello, que completará 75 anos em julho e deixará o Supremo.

Em conversa na semana passada com integrantes do centrão, Bolsonaro afirmou que Humberto Martins tem chances, mas que hoje o favorito para o posto é o pastor presbiteriano e ministro da AGU (Advocacia-Geral da União), André Mendonça.
A última pesquisa Datafolha, realizada no início deste mês, mostrou que os eleitores evangélicos tendem a avaliar de forma mais positiva o presidente e a relativizar mais a pandemia do coronavírus.

De acordo com o instituto de pesquisa, o índice de ótimo ou bom atribuído à condução da crise sanitária pela atual gestão passa de 33%, na população em geral, para 41% considerando apenas os evangélicos.

O esforço da esquerda tem sido o de tentar diminuir a rejeição criada contra ela nos segmentos evangélicos e o de convencê-los que a atual gestão, apesar de adotar uma retórica favorável à pauta de costumes, não implementou políticas públicas que melhoraram a vida dos cristãos, como a redução do desemprego e a diminuição da pobreza.

O receio de Bolsonaro, manifestado a alguns assessores palacianos, é justamente de que o agravamento da pandemia do coronavírus e a escalada da crise política, sobretudo com a instalação da CPI da Covid, possam levar parcela do eleitorado evangélico a migrar para candidaturas oposicionistas.”

Informações: Bnews

OUTRAS NOTÍCIAS