Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

‘Dragão Azul’ comedor de ‘caravelas portuguesas’ faz aparição rara em SP e encanta banhistas

‘Dragão Azul’ comedor de ‘caravelas portuguesas’ faz aparição rara em SP e encanta banhistas

Um molusco azul e bem pequeno, conhecido como dragão azul (Glaucus atlanticus), foi flagrado em uma praia de Bertioga, no litoral de São Paulo, e chamou a atenção de uma moradora.

Em imagens divulgadas nas redes sociais, o animal aparece encalhado em uma faixa de areia da praia de Riviera de São Lourenço. O animal não é venenoso, mas pode soltar uma toxina que pode queimar a pele de quem tocá-lo.

Em entrevista ao G1 nesta quarta-feira (8), a arquiteta Dalma Mesquita Ferreira afirma que o encontro com o animal ocorreu em um dia frio, quando ela estava andando pelo local com uma sacolinha plástica.

“Quando eu cheguei perto e vi que aquilo se mexia, a minha primeira reação foi verificar se a onda estava chegando para levar embora”, explica.

Antes do animal ser levado, ela registrou o momento e enviou ao filho, que explicou que se tratava de um dragão azul.

Segundo ela, no dia do encontro o mar estava com ressaca, o que contribuiu para que o molusco fosse localizado no litoral paulista.

“Eu nunca tinha visto nem na televisão, só na literatura mesmo. A espécie pode ser conhecida, mas ela estava ali na minha frente. Para resumir, é emocionante se deparar com um serzinho desses na sua frente”, afirma.

A mestranda pelo Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo (MZUSP) em Sistemática, Taxonomia Animal e Biodiversidade, Gemany Caetano, explicou ao G1 que o animal não é raro, mas que sua aparição é, apesar de ele ser encontrado em mares tropicais como o do Brasil, Austrália e de países do continente africano.

De acordo com ela, a ventania e a corrente marítima podem fazer com que eles encalhem na faixa de areia, assim como ocorreu em Bertioga. “Ele não apresenta muita mobilidade e também não apresenta natação ativa. Quando encalha, se a maré não alcançá-lo para levá-lo de volta, ele acaba morrendo ali”, afirma.

Ainda segundo a mestranda, por ser pequeno ele pode ser pisoteado na praia, ou até mesmo ficar camuflado em meio ao lixo. “Ele é muito frágil, pequeno e sensível. Por isso, é importante que não seja tocado”, diz. Além disso, há o risco de queimaduras em contato com animal, pois se alimenta de caravelas portuguesas.

“As caravelas das quais o dragão azul se alimenta possuem estruturas urticantes que são capturadas pelo nudibrânquio e utilizados para sua defesa. Caso as pessoas o encontrem, o ideal é que não toquem no animal, a fim de evitar qualquer acidente. É um animal que merece ser admirado”, finaliza.

 

Informações: G1

OUTRAS NOTÍCIAS