Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Com as mudanças climáticas no Brasil, Dengue segue sendo uma potencial ameaça nas regiões frias e secas

Com as mudanças climáticas no Brasil, Dengue segue sendo uma potencial ameaça nas regiões frias e secas

O Brasil vive, hoje, um surto de dengue. Do início do ano até este mês, houve um aumento de 113% de prováveis casos notificados, segundo o Ministério da Saúde. Porém, a doença está em migração rumo a regiões mais frias e secas, como o Centro-Oeste e o Sul. Na última semana do mês passado, o InfoDengue, sistema de alerta da pasta, enviou comunicados para 215 cidades no Paraná e 120 em Santa Catarina. O pico de casos em todo o Brasil foi no Paraná, com 4.756 confirmações.

A situação chama a atenção. De acordo com o Observatório Nacional de Clima e Saúde, plataforma vinculada à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), o comportamento da doença está mudando. A justificativa é que as mudanças climáticas no país estão fazendo com que o vírus caminhe para regiões nas quais as infecções eram pouco frequentes.

De acordo com o coordenador do Observatório, Christóvam Barcellos, “com a mudança climática, os verões estão cada vez mais estendidos. Brasília, por exemplo, às vezes não tem temporada fria e favorece a proliferação dos mosquitos. Em maio, deveria cair (a circulação da dengue), algo que não está acontecendo. O mesmo ocorre em algumas cidades do interior do sul. A janela de transmissão está se abrindo”, explicou.

Inexperiência

Com o clima favorável, a reprodução do vírus se torna mais intensa em novas áreas. Isso ocasiona uma outra preocupação para os especialistas da Fiocruz: a falta de experiência dos profissionais de saúde que atuam nessas regiões. “Tem áreas novas, com transmissão recente, e os médicos e os serviços não estão preparados para diagnosticar. Um gaúcho do interior começa a ter febre e raramente se pensa em dengue. As doenças se confundem pelos sintomas. Por isso, são importantes os alertas de saúde pública e o fortalecimento das medidas”, ressaltou o Barcellos.

O Ministério da Saúde informou ao Correio que intensificou as ações de prevenção e controle da dengue, assim como campanhas de mobilização e apoio aos estados e municípios. “Foram entregues 40 milhões de pastilhas de larvicida para o tratamento de recipiente/depósitos de água para todos os estados e Distrito Federal. Além disso, foram distribuídos mais de 3 mil kg de inseticida para o tratamento em pontos estratégicos”.

Sobre a capacitação de profissionais de saúde, a pasta salientou que realiza “oficinas, webinários e orientações pontuais aos profissionais dos estados e municípios” sobre a dengue e como identificá-la e tratá-la.

Os profissionais alertam para essa necessidade, já que o diagnóstico rápido da dengue é fundamental para salvar o infectado. “A morte por dengue é considerada evitável. Têm pessoas que vão às unidades de saúde, são atendidas e, infelizmente, a gravidade do quadro não é percebida. Normalmente a morte indica uma falha do profissional ou da família que demora para levar a pessoa ao hospital”, alertou Rivaldo Venâncio, coordenador de Vigilância em Saúde e Laboratórios de Referências da Fiocruz.

 

Fonte: correiobraziliense.com.br

 

OUTRAS NOTÍCIAS