Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

33 municípios da Bahia estão em estado de calamidade pública

33 municípios da Bahia estão em estado de calamidade pública

A Assembleia Legislativa aprovou, na sessão de ontem, dois projetos de decreto legislativo que garantem a renovação do reconhecimento do estado calamidade pública de 33 municípios baianos.

A votação só foi possível porque os líderes do governo, deputado Rosemberg Pinto (PT), e da oposição, Sandro Régis (União Brasil), chegaram a um entendimento para fazer a dispensa de formalidades regimentais.

O estado de Calamidade Pública costuma ser associado também ao estado de Emergência. Os dois estão relacionados, mas não significam exatamente a mesma coisa em termos legais.

O Estado de Emergência é decretado quando há entendimento de que danos à saúde e aos serviços públicos são iminentes, ou seja, quando tais danos estão próximos de acontecer ou se concretizar. Este período é antes da calamidade pública.

A partir do momento em que os danos ao interesse público se concretizam é quando entra em vigor o Estado de Calamidade Pública. Isso nada mais é do que uma medida administrativa para que o município ou estado possa destinar mais recursos para o setor.

Itororó foi proposto pelo deputado Rosemberg, que também apontou Itacaré e Iguaí. Ivana Bastos (PSD) apresentou as cidades de Feira da Mata, Contendas do Sincorá, Palmas de Monte Alto, Novo Horizonte, Iuiú e Ibitiara.

Eduardo Salles (PP) apresentou Barro Preto, Bonito, Ituberá, Jussari, Piritiba, Terra Nova, Una, Maragogipe e Barra do Choça. Alex da Piatã (PSD) apresentou Crisópolis, enquanto Adolfo Menezes apresentou Apuarema.

Marquinho Viana (PV), propôs Caraíbas; Luciano Simões Filho (UB), Entre Rios; e Diego Coronel (PSD), Cipó. A Mesa Diretora foi autora dos ofícios que indicaram Ibirataia, Ubaitaba, Firmino Alves, Piraí do Norte, Tanhaçu e Rio do Pires.

 

Fonte: bnews.com.br

OUTRAS NOTÍCIAS