Suprema Corte dos EUA rejeita tentativa de Trump de incluir avós em restrição de viagens

Suprema Corte dos EUA rejeita tentativa de Trump de incluir avós em restrição de viagens

000-qr4d2

Suprema Corte dos Estados Unidos confirmou nesta quarta-feira (19) a autorização do ingresso no território dos EUA de parentes próximos de cidadãos americanos provenientes dos seis países de maioria muçulmana incluídos no decreto anti-imigração assinado pelo presidente Donald Trump no começo de seu mandato.

A decisão da Suprema Corte rejeitou o recurso apresentado pelo governo norte-americano contra a decisão da última quinta-feira de um juiz distrital no Havaí, que limitava o alcance da restrição temporária do governo sobre refugiados e viajantes do Irã, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iêmen. O juiz Derrick K. Watson, da Corte Federal do Distrito de Honolulu tinha decidido que o decreto presidencial não podia se aplicar a “familiares próximos”, uma definição que “inclui os avós”.

“O senso comum, por exemplo, dita que familiares próximos sejam definidos para incluir avós. De fato, avós são a personificação de familiares próximos”, escreveu Watson em seu despacho.

No entanto, em uma vitória parcial para Trump, a Corte Suprema suspendeu parte da decisão judicial que permitiria que mais pessoas entrassem nos EUA se considerados refugiados. O governo norte-americano poderá, portanto, aplicar a versão mais “restritiva” do decreto contra essa categoria de imigrantes.

Em sua breve ordem, a Corte Suprema informou que a decisão judicial é temporária, enquanto o 9º Circuito de Cortes de Apelações, sediado em San Francisco, analisa uma apelação sobre a questão. Três juízes conservadores da corte, em um total de nove magistrados, destacaram suas intenções de garantir a aplicação integral do pedido de Trump.

A rodada mais recente na disputa sobre o decreto presidencial anti-imigração, que Trump afirma ser necessário por razões de segurança nacional, teve início após a Suprema Corte intervir no mês passado para revisar parcialmente duas restrições que tinham sido bloqueadas por tribunais inferiores.

Naquela ocasião a Suprema Corte informou que o decreto entraria em vigor, mas que pessoas com um “relacionamento genuíno” com um cidadão ou entidade norte-americana não poderiam ser barradas na fronteira.

|G1

OUTRAS NOTÍCIAS