Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Quais são os riscos de beijar uma pessoa com herpes?

Quais são os riscos de beijar uma pessoa com herpes?

O beijo é um ato muito comum de afeto, mas que pode, dependendo da situação, trazer complicações graves para a saúde das pessoas envolvidas. Beijar pessoas com herpes labial não só leva ao risco de transmissão pelo vírus, como pode também ser meio de transporte para outras doenças, como a meningite.

Raquel Muarrek, médica infectologista do São Luiz e da Medicina Interna Personalizada (MIP), explica que a herpes existe no mundo há mais de quatro décadas e é transmissível por contato ou lesão ativa. Ações como o beijo, sexo desprotegido, compartilhamento de copos e objetos pessoais, como a maquiagem, são fatores de riscos para a contaminação.

A especialista conta que mais de 60% da população já entrou em contato com alguém com herpes. O vírus fica ativo por 10 dias e, mesmo após esse período, ainda pode permanecer presente na região em que as lesões se manifestaram.

Depois da primeira infecção (primária), o vírus da herpes se mantém dormente (latente) no corpo e pode ser periodicamente reativado e causar sintomas.

“Cerca de 40% das pessoas terão recorrência de lesões de 3 a 4 vezes ao ano. Uma parcela pode entrar em contato e ser portador do vírus, sem ter sintomas. Tudo depende do grau de contaminação”, conta Raquel.

Por que não beijar uma pessoa com herpes?

De acordo com Raquel, a herpes pode ser considerada uma IST (Infecção Sexualmente Transmissível). No caso da infecção oral, ela é comumente transmissível enquanto houver vesícula ou lesões na região.

Entretanto, segundo a infectologista, mesmo quando a crosta não está totalmente visível na superfície da boca, o vírus ainda pode causar a contaminação em outras pessoas que entrarem em contato com o mesmo.

Apesar dos sintomas de herpes labial serem tratáveis, a médica alerta que a infecção primária pelo vírus pode ser extremamente grave, levando ao quadro de meningite e cavidade oral. Caso haja contato com a região íntima, a herpes genital pode, até mesmo, impedir que a micção aconteça pelo excesso de dor causado.

E não é só o beijo na boca que traz complicações. Se uma pessoa com herpes labial beijar um recém-nascido, por exemplo, o vírus pode atingir o nervo do bebê, o que provoca um quadro grave de saúde, considerando que seu sistema imunológico ainda está em desenvolvimento.

Quando voltar a se relacionar?

Após o diagnóstico de herpes, o paciente seguirá um tratamento médico com pomadas e remédios específicos contra a infecção. Entretanto, Raquel Muarrek conta que também é importante que se siga algumas recomendações.

“Não botar o dedo na pomada, usar uma pomada por semana, cuidar da alimentação. Tudo varia de acordo com a sensibilidade na pele, e se ainda existe a presença do vírus. Por isso, recomendamos passar a pomada por um tempo prolongado, mesmo após o tratamento acabar”, diz.

Dessa forma, pode ser considerado seguro voltar a se relacionar de forma íntima quando as lesões desaparecem por completo, sem a presença de crostas ou alterações na cor da pele.

Informações; minhavida

OUTRAS NOTÍCIAS