Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Prefeito de Salvador envia para Câmara projeto que cria espécie de ‘banco público’

Prefeito de Salvador envia para Câmara projeto que cria espécie de ‘banco público’

O prefeito de Salvador, Bruno Reis, enviou na última quinta-feira (16) para a Câmara Municipal um projeto de lei que institui o Plano Integrado de Concessões e Parcerias do Salvador, que inclui a criação da Companhia de Desenvolvimento e Mobilização de Ativos de Salvador (CDEMS), uma empresa de sociedade de economia mista, vinculada à Secretaria Municipal da Fazenda.

A empresa mista será uma espécia de banco, que teria função de otimizar recursos financeiros para o financiamento de projetos prioritários, bem como na administração do pagamento de dívidas do Município. Além disso, a empresa teria a função de titularizar, administrar e explorar economicamente ativos municipais; criar fundos de investimento, fundos de investimento imobiliário, fundos de investimentos em direitos creditórios; estruturar e implementar operações que visem à obtenção de recursos junto ao mercado de capitais; auxiliar o Tesouro municipal na captação de recursos financeiros, podendo, para tanto, colocar no mercado obrigações de emissão própria, receber, adquirir, alienar e dar em garantia os ativos, créditos, títulos e valores mobiliários da sociedade; auxiliar o Município na realização de investimentos em infraestrutura e nos serviços públicos municipais em geral; auxiliar o Município em projetos de concessão ou de parceria públicoprivada, podendo, para tanto, dar garantias ou assumir obrigações; auxiliar o Município na atividade de conservação e manutenção de seus bens; estudar, planejar, projetar, executar, operar, gerir e explorar, direta ou indiretamente, por meio de concessões ou quaisquer espécies de parcerias com a iniciativa privada, atividades relacionadas a infraestrutura de telecomunicações, de tecnologia de informação, de redes lógicas de transmissão de dados digitais, de sistemas de gestão pública e privada e serviços associados.

A companhia teria função de estudar, planejar, projetar, construir, operar e explorar, direta ou indiretamente, por meio de concessões ou quaisquer espécies de parcerias com a iniciativa privada, o sistema de iluminação pública e serviços correlatos; estudar, planejar, projetar, construir, operar e explorar, direta ou indiretamente, por meio de concessões ou quaisquer espécies de parcerias com a iniciativa privada, atividades de geração de energia, em qualquer de suas fontes, com vistas ao consumo endógeno da Administração Pública Municipal, programa social ou de fomento; estudar, planejar, projetar, operar e explorar, direta ou indiretamente, por meio de concessões ou quaisquer espécies de parcerias com a iniciativa privada, atividades de geoprocessamento de dados e cadastro multifinalitário; e estudar, planejar, projetar e executar, direta ou indiretamente, por meio de concessões ou quaisquer espécies de parcerias com a iniciativa privada, obras de infraestrutura urbana.

Segundo a proposta do gestor, a CDEMS terá “a função social de realizar o interesse coletivo orientado pelo alcance do bem-estar econômico da sociedade e alocação socialmente eficiente de seus recursos, em especial, com vistas a ampliação economicamente sustentada do acesso de consumidores aos produtos e serviços; ao desenvolvimento ou emprego preferencial de tecnologia nacional para produção e oferta de produtos e serviços; ao desenvolvimento econômico sustentado por meio de inovação tecnológica que gere riqueza, emprego, renda e oportunidades locais por meio de ações da companhia, ou em parceria com entes públicos nacionais e internacionais, ou, ainda, em parceria com a iniciativa privada; e ao desenvolvimento de ações e parcerias estratégicas que atraiam investimentos que gerem riqueza, emprego, renda e oportunidades de desenvolvimento econômico e social”.

Ainda segundo a proposta, a CDEMS tem como objeto social auxiliar o Poder Executivo na promoção do desenvolvimento econômico e social da Cidade do Salvador, na otimização do fluxo de recursos financeiros.

A CDEMS será administrada por um Conselho de Administração e uma Diretoria Executiva, a serem eleitos de acordo com as disposições da Lei das Sociedades por Ações, com mandato remunerado pelo período de dois anos, sendo permitidas três reconduções consecutivas. A destituição de membro do Conselho de Administração, ou de todo o Conselho de Administração, da companhia e de suas subsidiárias, antes do fim do mandato é medida excepcional justificada por procedimento administrativo aberto pela assembleia geral que comprove infração ao Estatuto, à Lei ou aos deveres funcionais do conselheiro.” A contratação de pessoal efetivo da CDEMS será feita por meio de concurso público de provas ou de provas e títulos, observadas as normas específicas editadas pelo Conselho de Administração.

O texto ainda prevê autorização para delegar o serviço de iluminação publica à companhia, ou à subsidiária por ela constituída.

Informações: BNews

OUTRAS NOTÍCIAS