Pastores golpistas que fizeram mais de 50 mil vítimas são alvo da PCDF

Na manhã desta quarta feira, 20 de setembro, ocorreu a Operação Falso Profeta da Policia Civil do Distrito Federal (PCDF) afim de cumprir dois mandatos de prisão mandados de prisão preventiva e 16 de busca e apreensão contra uma organização criminosa.

De acordo com a PC, os indivíduos são suspeitos de aplicar golpes em mais de 50 vitimas no DF e outros Estados, incluindo o exterior.

Segundo informações extraídas do site Metrópoles, um dos alvos é o líder do rupo, Osório José Lopes Júnior, que não foi localizado e é considerado foragido. O outro procurado não teve o nome divulgado e também não foi proeso.

A investigação aponta que os suspeitos formavam uma rede criminosa muito bem organizada, com estrutura ordenada e divisão de tarefas, especializada no cometimento de diversos crimes, como falsidade ideológica, lavagem de dinheiro, sonegação fiscal, e estelionatos por meio de redes sociais. As vítimas eram induzidas a investir quantias em dinheiro com a promessa de recebimento futuro de quantias milionárias.

A ação é coordenada pela Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Ordem Tributária (Dot), vinculada ao Departamento de Combate a Corrupção e ao Crime Organizado (Decor).

“Nesara Gesara”

Os golpistas abordavam as vítimas, em sua grande maioria evangélicas, pelas redes sociais e invocavam uma teoria conspiratória apelidada de “Nesara Gesara” para convencê-las a investir suas economias em falsas operações financeiras ou falsos projetos de ações humanitárias. Havia promessa de retorno financeiro imediato e rentabilidade estratosférica.

Foi detectada, por exemplo, a promessa de que com um depósito de apenas R$ 25 as pessoas poderiam receber de volta nas “operações” o valor de R$ 1 octilhão (ou 1 seguido de 27 zeros: R$ 1.000.000.000.000.000.000.000.000.000).

O golpe pode ser considerado um dos maiores já investigados no Brasil, uma vez que foram constatadas, como vítimas, pessoas de diversas camadas sociais e localizadas em quase todas as unidades da Federação, estimando-se mais de 50 mil vítimas.

De acordo com a investigação, iniciada há cerca de um ano, o grupo é composto por cerca de 200 integrantes, incluindo dezenas de lideranças evangélicas intituladas pastores, que induzem e mantêm em erro as vítimas, normalmente fiéis que frequentam suas igrejas, para acreditar no discurso de que são pessoas escolhidas por Deus para receber a “bênção”, ou seja, as quantias bilionárias.

Informações e fotos extraidas do Metrópoles

OUTRAS NOTÍCIAS