Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Oitiva da CPI da Saúde com coordenadora e diretor da Imaps, ambos afirmam que lotação de funcionários é de responsabilidade da secretaria de saúde

Oitiva da CPI da Saúde com coordenadora e diretor da Imaps, ambos afirmam que lotação de funcionários é de responsabilidade da secretaria de saúde

Ocorreu na manhã desta sexta-feira (11), mais uma oitiva da Comissão de Inquérito Parlamentar – CPI da Saúde, na qual foram ouvidos a coordenadora de departamento pessoal e recursos humanos, Graziela Borges da Silva; o analista de nível superior, Hícaro Mathaus e o diretor de contrato, Marcos Perdiz.

De acordo com Graziela Borges a coordenação de RH não “tem informação sobre o acompanhamento de contratos da secretaria com a Imaps”, ainda afirmou que as faltas ou atrasos dos funcionários são informados por meio de espelho de ponto mensalmente. Questionada referente a alocação dos funcionários, Graziela disse que todos os colaboradores são contratados para prestar serviço em policlínicas, UBSs e PSFs.

Interpelada sobre a influência do secretário de saúde, Marcelo Brito com relação às contratações do Instituto Marie Pierre de Saúde – Imaps, a coordenadora comunicou que não há influência do secretário e muito menos do prefeito Colbert Martins. “Não existe essa relação, a admissão dos funcionários é realizada através de currículo e então fazemos avaliação se o profissional está apto, existiu um encerramento de contrato e as pessoas foram demitidas por meio disto em dezembro”.

Durante a oitiva do analista Hícaro Mathaus ele afirmou que passou pelas empresas Coopersaud, Imaps e atualmente na Fundação ADM em ambas empresas exerceu o cargo de analista de nível superior e presta serviço para a procuradoria geral do município de Feira de Santana. 

Questionado pelo relator da CPI, o vereador Pr° Ivamberg sobre suas atividades como analista, Hícaro afirmou que realiza defesas em geral, inclusive na área da saúde e que fica como advogado à disposição, tendo como chefe, o Dr° Moura Pinho.

“A empresa me disponibilizou a prestar serviço para a prefeitura e então eu presto serviço para a procuradoria, trabalho na procuradoria a aproximadamente 6, 7 anos e lá eu também faço defesas para a área da saúde, fui contratado na Imaps de agosto a dezembro de 2021, mas hoje sou funcionário contratado pela Fundação ADM”, apontou o sr. Hícaro.

Segundo informações de Hícaro, as senhoras Fernanda Sabino, Andrea Layla, Laís Suzart, Poliane Rocha também são analistas na procuradoria geral do município que foram contratadas pela Imaps e atualmente estão pela Fundação ADM.

Após as declarações de Hícaro Mathaus, a comissão convocou a coordenadora de departamento pessoal novamente para questionar a sua afirmação anterior de que “todos os funcionários” estão locados nas policlínicas, UBSs e  PSFs, mesmo após o depoimento de Hícaro, a coordenadora informou que “cabe a secretária de saúde responder o caso”, pois quem faz a locação dos funcionários é a secretária de saúde. 

O presidente da Comissão e vereador Paulão do Caldeirão (PSC), questionou a coordenadora sobre o fiscalizador do contrato, a princípio ela afirmou não ter a informação, questionada novamente ela citou o pré nome de Deivison como fiscalizador do contrato.

O diretor de contrato da empresa Imaps, Marcos Perdiz afirmou que nunca recebeu nenhuma lista do prefeito Colbert Martins com nomes para contratações. 

Segundo o diretor, o seu trato em relação ao contrato é direto com o secretário de saúde, Marcelo Brito. Referente às contratações, Marcos informa que, “O Imaps tem um banco de currículo e utilizamos ele para fazer reposição dos funcionários, ninguém nunca fez nenhum pedido não que eu tenha conhecimento, é difícil que uma indicação tenha sido realizada sem ter passado por mim”, afirmou. 

Concernente a locação dos funcionários, o diretor afirma que as “pessoas foram contratadas pela Imaps para a secretária de saúde, mas quem é responsável pela lotação do pessoal é a secretária, este contrato em questão foi um contrato de 90 dias mais 90”. 

Sobre o envolvimento de Marcelinho Guimarães na Imaps, o diretor disse que não existe nenhuma participação do ex-deputado e afirmou que “ele [Marcelinho] não representa o Imaps. 





OUTRAS NOTÍCIAS