Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Mulheres tentam entrar em presídio com celulares na vagina

Mulheres tentam entrar em presídio com celulares na vagina

93046-3

Duas mulheres foram detidas na manhã de hoje (7) ao tentarem entrar no Conjunto Penal de Feira de Santana com celulares na vagina. Uma delas que não quis se identificar afirmou que tentou entrar com o aparelho depois de ser ameaçada de morte junto com seu marido que cumpre pena de cinco anos na unidade pelo crime de assalto.

“Eu e meu marido estávamos sendo ameaçados, disseram que eu tinha que colocar o aparelho para entrar no presídio, senão me matariam eu e ele. Uma pessoa me entregou o celular, me levou ao banheiro do bar e disse que eu tinha que colocar o aparelho e entrar. Eu nunca fiz isso, eu não sabia, se ia passar ou se ia ser barrada”, disse.

Segundo a esposa do preso, se ela conseguisse passar pela revista com o celular, deveria deixar o aparelho em algum lugar do pátio do presídio para que alguém pegasse. Fazendo isso, possivelmente ficaria livre das supostas ameaças.

Vilma da Silva, de 22 anos, mulher de um detento que está no Pavilhão 10 e cumpre pena de um ano e quatro meses, também foi detida ao entrar com um aparelho celular. “Meu marido estava devendo no presídio cerca de R$ 500, de lençol e alimento que ele comprou dentro do conjunto penal. Trouxe o celular para pagar a dívida dele. Na revista, quando passei, o detector apitou”, contou.

Segundo o diretor adjunto do presídio Nilson Ribeiro, elas serão encaminhadas para a delegacia onde será lavrado o Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) e tomadas as providências cabíveis. O papel do Conjunto Penal é detectar, inibir e encaminhar. Elas serão encaminhadas para a justiça e tomadas as providências conforme a lei determina.

“Será instaurada uma sindicância interna com os envolvidos e a partir daí, chegando as conclusões, serão tomadas as decisões legais. A suspensão da carteira de visitante depende da primeira retenção. A gente faz com 30 dias, que é o tempo que a comissão vai se pronunciar e a partir dai a gente vai ver a pena final com relação a essas entradas”, concluiu.

OUTRAS NOTÍCIAS