Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Mulher que enterrou filha viva de cabeça pra baixo é condenada a quase 40 anos de prisão

Mulher que enterrou filha viva de cabeça pra baixo é condenada a quase 40 anos de prisão

Emileide Magalhães foi condenada a 39 anos, oito meses e quatro dias de prisão em regime fechado por ter matado de forma cruel a filha Gabrielly Magalhães, que tinha apenas 10 anos quando foi estrangulada e enterrada viva de cabeça para baixo pela mãe em Brasilândia/MS. O crime chocou todo o país na época.

O júri aconteceu durante o dia de quarta-feira, 12, na cidade de Três Lagoas. A defesa tentou desqualificar o crime, mas o conselho de sentença condenou a ré, por maioria dos votos, por homicídio quadruplamente qualificado, além de ocultação de cadáver, comunicação falsa de crime e corrupção de menores.

Durante o julgamento Emileide disse que amava a filha e não sabia o que estava fazendo no dia do crime, por ter ingerido bebida alcoólica e usado cocaína. Disse, ainda, não se lembrar bem dos detalhes e afirmou que não sabia sobre os abusos cometidos pelo marido André Luiz Ferreira Piaui contra a criança.

.com/img/a/

Buraco onde Gabrielly foi enterrada viva de cabeça pra baixo

A assassina disse que quando jogou a filha dentro do buraco pensou que ela já tivesse morrido e disse que estava arrependida. Ela afirmou que às vezes recebe cartas do ex-marido que está preso por estupro de vulnerável, mas que não tem mais relacionamento com ele. Emileide não poderá recorrer em liberdade.

O momento mais emocionante do julgamento aconteceu quando o juiz Rodrigo Pedrini Marcos passou a ler trechos das cartas escritas por Gabrielly para a mãe, dizendo que a amava muito, que a mãe era a coisa mais linda do mundo e que iria ter uma vida muito longa. Pessoas que assistiam ao julgamento choraram.

Gabrielly foi asfixiada e enterrada viva pela mãe com a ajuda do irmão de 13 anos no dia 21 de março de 2020. Em 2019 a criança disse a uma colega de sala que estava sendo estuprada pelo padrasto. A colega a orientou a falar para a professora, mas ela disse que já tinha sido ameaçada pela mãe e nada disse.

Informações: colatinanews

OUTRAS NOTÍCIAS