Médico do SAMU dá orientações para evitar afogamentos

Para evitar situações de afogamentos, no qual a entrada de líquidos pelas vias aéreas pode gerar dificuldade respiratória e até parada cardíaca, alguns cuidados devem ser tomados, em especial com crianças e pessoas alcoolizadas. 

A primeira orientação do médico, Eusvaldo Dourado, que atua no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) de Feira de Santana, é que os pais e cuidadores de crianças reforcem as barreiras de proteção para impedir o acesso aos locais em que pode ocorrer o incidente. Além disso, ele também aconselha, quando possível, a investir em aulas de natação desde a primeira infância.

“Se a casa tem piscina, é importante cobrir, colocar uma grade, tela ou criar uma barreira para que os pequenos não consigam ultrapassar. Há também um outro risco, que é a criança cair na piscina que está parcialmente coberta e nos primeiros minutos ninguém consegue ver. Para solucionar esse problema, teria que ser usado algum sistema de monitoramento ou aplicativo que sinalizasse quando algo caísse nessas áreas”, ponderou.

Já nos casos de jovens entre 15 a 25 anos, o médico avalia que o maior perigo são as festas em piscinas ou praias onde é feito um consumo exagerado de bebidas alcóolicas. Ele adverte que além das atitudes imprevistas de pessoas que não sabem nadar e se atiram na água, existe o risco de choque elétrico por conta de fios de aparelhos que tocam músicas.

Dourado aconselha que após identificar um afogamento, o resgate em situações de praia, em que as pessoas próximas decidem ajudar enquanto o reforço não chega, só deve ser realizado por alguém que saiba nadar, tenha colete salva-vidas ou algum outro objeto que garanta a segurança a fim de que não haja mais ocorrências.

Em situações de afogamento, o primeiro contato deve ser feito com o número 193 – do Corpo de Bombeiros – para que a vítima seja retirada da água. Logo após, ou de forma simultânea, o SAMU deve ser acionado, por meio do 192, para prestar os atendimentos e auxiliar quem estiver por perto a dar os primeiros socorros.

Secom

OUTRAS NOTÍCIAS