Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Homem mais alto do Brasil marca cirurgia para amputar perna

Homem mais alto do Brasil marca cirurgia para amputar perna

Joelison Fernandes da Silva, considerado o homem mais alto do Brasil, medindo 2,37 metros, marcou para o próximo dia 3 de dezembro a cirurgia para amputar a perna direita, segundo anunciou em um perfil de rede social na internet. O procedimento é o tratamento indicado porque Ninão, que é como o paraibano é conhecido, já não consegue andar e nem ficar de pé por causa de uma infecção.

Antes da cirurgia ele teria que fazer pelo menos 15 dias de fisioterapia para ter um melhor processo de adaptação com a prótese, mas teve o quadro da infecção agravado. Por isso, o médico que o acompanha resolveu antecipar a amputação.

“Sofri muito essa semana, [senti] muitas dores. Infelizmente é uma decisão difícil, mas com certeza pra melhorar a minha saúde, em nome de Jesus. Estou muito confiante”, disse para os seguidores.

A cirurgia e a compra da prótese que ele vai usar vão ser possíveis graças a uma campanha para arrecadação de recursos feita na internet. Pesando mais de 200 quilos, mesmo tendo se acostumado a fazer as atividades diárias com o suporte da cadeira de rodas, ele explicou que “a maior dificuldade agora é a locomoção por dentro da casa” onde mora, em Assunção, no Sertão da Paraíba.

Ninão foi diagnosticado com osteomielite há cerca de quatro anos e meio, mas já sofre com os sintomas da doença há aproximadamente uma década. A infecção, que pode ser causada por bactérias ou fungos, atinge o osso, tendo como um dos principais sintomas a dor.

Desde então, muitos cuidados são necessários. O curativo na perna precisa ser feito todos os dias. Para isso, ele conta com o auxílio de uma equipe da rede municipal de saúde do município ou com a mãe.

Depois, a pretensão do paraibano é usar uma prótese. Para comprá-la, ele está fazendo uma campanha para arrecadação de doações na internet, “para realizar o sonho de voltar a andar”.

Ninão também precisa de medicamentos para conter a infecção. Os gastos mensais com remédios são de aproximadamente R$ 500, quase metade da renda da família. Desde que se locomove em uma cadeira de rodas, ele não consegue trabalhar, e lamenta pelas oportunidades perdidas. Antes da infecção, ele costumava fazer comerciais e era convidado para participar de eventos pelo país inteiro.

Atualmente, o paraibano mora com a esposa. A renda do casal corresponde a um salário mínimo, da aposentadoria que ele recebe desde 2012, e de alguns trabalhos de decoração que a companheira dele faz. As doações dos amigos também têm auxiliado. “Chega uma visita, vê a situação e dá uma ajuda”, contou.

O paraibano, natural de Taperoá, descobriu o gigantismo aos 14 anos, quanto media 1,95 metro. Teve a opção de fazer uma cirurgia para parar o crescimento, mas não fez por medo dos riscos do procedimento. Parou de crescer há quatro anos com a ajuda de remédios.

Informações: Olá Bahia

OUTRAS NOTÍCIAS