Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Gasolina deverá ultrapassar 10 reais na Bahia

Gasolina deverá ultrapassar 10 reais na Bahia

O litro da gasolina na Bahia deverá ultrapassar os R$10 ainda esse ano, conforme um dono de posto revelou sob anonimato ao site Informe Baiano

, na manhã desta segunda-feira (07/03). O valor em alguns postos de Salvador já está em R$7,99. No sudoeste baiano, na cidade de Livramento de Nossa Senhora, o valor é de R$8,79. O preço do barril de petróleo já chega perto dos 140 dólares.

Os empresários atribuem o abuso ao “monopólio regional” que aconteceu com a venda pelo governo federal da refinaria de Mataripe. A Acelen, que administra a Refinaria Landulpho Alves (RLAM), já aumentou, somente esse ano, quatro vezes os combustíveis na Bahia. O reajuste já ultrapassa 35%. Enquanto isso a Petrobrás aumentou 5% nos outros estados do país. A refinaria baiana é a única que foi privatizada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL).

Por meio de nota, o Sindicato do Comércio de Combustíveis, Energias Alternativas e Lojas de Conveniências do Estado da Bahia (Sindicombustíveis Bahia) informou em nota que “preocupado com os elevados preços praticados pela Acelen, monopolista regional que adquiriu a RLAN, apresentou nesta sexta-feira (04/03/2022) ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica – CADE, uma representação por possível abuso de poder econômico”.

“De acordo com os documentos apresentados ao CADE a Acelen vem praticando, na Bahia, preços substancialmente maiores do que os que ela própria pratica para venda a outros Estados, como Alagoas, Maranhão e até mesmo Amazonas. As diferenças em relação à gasolina A chegaram a mais de trinta centavos por litro em fevereiro deste ano e vinte e oito centavos para o óleo diesel S10”, diz o comunicado.

“A Acelen, empresa controlada pelo Fundo Mubadala, dos Emirados Árabes Unidos, é a primeira refinaria privatizada da Petrobras. O Governo e a sociedade em geral esperavam que, com a privatização, os preços caíssem. Mas, no caso da Bahia, tem se verificado justamente o contrário”, acrescenta.

“O Sindicato entende que possa haver abuso de poder econômico da Acelen, que atua como monopolista no mercado de refino na Bahia e vem impondo às distribuidoras preços maiores que os praticados pelas demais refinarias brasileiras. Em defesa da livre inciativa, da livre concorrência e de um mercado saudável e competitivo o Sindicato espera que o CADE adote as providências necessárias para restabelecer a liberdade no mercado”, finaliza nota assinada por Walter Tannus Freitas, presidente do Sindicombustiveis Bahia.

Informações: Informe Baiano

OUTRAS NOTÍCIAS