Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Bolsonaro reconhece picanha cara, mas diz que “crise é no mundo todo”

Bolsonaro reconhece picanha cara, mas diz que “crise é no mundo todo”

Em conversa com apoiadores, na saída do Palácio da Alvorada, na manhã desta quarta-feira (11/5), o presidente Jair Bolsonaro (PL) questionou aos seus apoiadores, quanto estava custando o preço da carne, tipo picanha, nos outros países.

“O preço da carne lá fora subiu muito?”, pergunta Bolsonaro a uma apoiadora que diz ter acabado de voltar do exterior. A mulher diz, durante o relato que, quando residia em um país estrangeiro, comprava meio quilo picanha por R$ 100.

“A crise é no mundo todo. Aqui no Brasil está caro? Está. Mas alguns me acusam injustamente. No Brasil, quanto está o quilo da picanha? Menos da metade do preço que lá de fora. Está caro? Está caro”, disse o chefe do Executivo.

“Vocês lembram do ‘fica em casa e a economia a gente vê depois?’ Quem mandou ficar em casa que é o responsável por isso aí. Não só mandou, como vigiou, botou a polícia em cima, botou a guarda municipal…”, disse o mandatário, em relação aos governadores que tomaram medidas restritivas contra a Covid-19.

Queda no consumo

Segundo levantamento divulgado no ano passado fornecedora independente de pesquisa de experiência do cliente e de dados e análises para empresas, Bare International, cerca de 76% dos ouvidos estão consumindo proteínas de menor valor.

O levantamento mostrou que a carne bovina foi trocada pelo frango por 57% das famílias e pelo ovo, por 19%. Em relação ao consumo de filé mignon, apenas 1% dos entrevistados disseram comer. Já acerca do consumo de picanha e salmão, nem 1% disseram consumir.

Peixes, com exceção do salmão, agora são consumidos por 15% dos brasileiros, enquanto 14% estão comprando carne de segunda e 6% estão consumindo porco. A pesquisa ouviu 1.053 pessoas durante o mês de novembro.

OUTRAS NOTÍCIAS