Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Bolsonaro chama Mourão de ‘palpiteiro’

Bolsonaro chama Mourão de ‘palpiteiro’

O presidente Jair Bolsonaro se referiu ao vice Hamilton Mourão como “palpiteiro” ao reclamar da declaração do general sobre a provável demissão do chanceler Ernesto Araújo em uma reformulação ministerial a ser feita após as eleições do Congresso. A insatisfação com o vice foi manifestada nesta quinta-feira, 28, um dia depois do comentário de Mourão sobre o ministro das Relações Exteriores. Mais cedo, o site O Antagonista havia mostrado que o chefe da assessoria parlamentar da Vice-Presidência teria procurado o chefe de gabinete de um deputado para tratar de eventual impeachment de Bolsonaro. Mourão disse que não autorizou a articulação e anunciou a demissão do auxiliar.

“O que menos precisamos é de palpiteiro no tocante à formação do meu ministério. Todos os 23 ministros eu que escolho e mais ninguém. Se alguém quiser escolher ministro, que se candidate em 2022 e boa sorte em 2023”, afirmou o presidente ao ser perguntado por um apoiador sobre o comentário de Mourão.

Bolsonaro disse que a única substituição ministerial prevista é na pasta atualmente comandada por um interino. A Secretaria-Geral da Presidência é dirigida por Pedro César Nunes Ferreira Marques de Souza desde que o então ministro Jorge Oliveira deixou o cargo, em dezembro, para assumir uma cadeira no Tribunal de Contas da União (TCU).

“O vice falou que eu estou para trocar o chefe do Itamaraty. Quero deixar muito claro uma coisa: tenho 22 ministros efetivos e um que é interino. Aí que podemos ter um nome diferente ou a efetivação do atual. Toda semana recebo da mídia informações de que vão ser trocados ministros, tentando sempre semear a discórdia no nosso governo. Lamento que gente do próprio governo agora passe a dar palpites no tocante à troca de ministros”, reclamou Bolsonaro.

A afirmação de que Ernesto Araújo poderia ser exonerado foi feita por Mourão em entrevista à Rádio Bandeirantes, na quarta-feira, 27. A ideia da troca do ministro das Relações Exteriores, no entanto, também encontra eco dentro do governo, na chancelaria e mesmo no Centrão. Integrante da ala ideológica, Ernesto desagrada a militares, empresários e ruralistas.

O vice-presidente já reclamou da falta de diálogo com o chefe do Executivo, mas tem defendido o governo. Em entrevista ao Estadão, no último dia 15, Mourão rechaçou a tese de impeachment. “Deixa o cara governar, pô!”, afirmou ele. “Não vejo hoje que haja condição de prosperar qualquer pedido de impeachment contra o presidente Bolsonaro”.

Informação – Estadão

OUTRAS NOTÍCIAS