Jovem estuprada, presa e condenada a 30 anos por aborto luta por liberdade em El Salvador

Paulão 14 de julho de 2017 | 6:21 pm

evelyn-el-salvador-protesto

Advogados em El Salvador que representam uma adolescente que eles alegam ter sofrido um aborto espontâneo e ter sido presa pelo assassinato de seu filho dizem que vão recorrer a decisão esse mês, em um caso que joga luz sobre a rígida proibição de aborto do país.

Evelyn Beatriz Hernandez, de 19 anos, foi condenada a 30 anos de prisão no início desse mês por homicídio qualificado por uma juíza que decidiu que a adolescente induziu o próprio aborto, que é considerado um crime no país centro-americano.

Evelyn, uma estudante do ensino médio de uma comunidade rural pobre, disse que foi estuprada e que não percebeu que estava grávida até que começou a entrar em trabalho de parto em um banheiro no ano passado.

O aborto é um crime em El Salvador desde 1997, mesmo em casos de estupro, incesto, quando a vida da mulher está em risco ou quando o feto sofre de alguma má formação.

evelyn-el-salvador

O advogado de Evelyn, Dennis Munoz, disse que um recurso será apresentado até o fim de julho argumentando que as evidências foram manipuladas e que não há provas de que a adolescente tentou matar o filho.

“Isso é crueldade absoluta. É uma decisão terrível”, disse Munoz, um dos muitos advogados trabalhando para libertar a jovem.

Evelyn está entre as dezenas de mulheres que acredita-se terem sido presas injustamente em El Salvador nas últimas duas décadas por desafiar a proibição do aborto, de acordo com o grupo de direitos humanos local, Grupo de Cidadãos para a Descriminalização do Aborto.

Diretor Presidente: Josse Paulo Pereira Barbosa
Departamento Jurídico: Dr. Fernando Oliveira | Dr. Alberto Dalton Coelho
Diretor de Sede: Alex Neves Barbosa
Diretor Administrativo: Paulo Jadson de Oliveira Barbosa
Jornalista: Rute Damascena
Fone: 75 3021.1910 | Celular: 8835.3367 - 8110.3577


E-mail: programalivredopaulao@gmail.com