Yasmin Brunet esclarece acusação de tráfico humano: ‘Cometeram crimes contra a minha honra’

yasmin-brunet-27102022135536644

A modelo Yasmin Brunet foi ao Instagram na tarde desta quinta-feira (27) para esclarecer o envolvimento com as brasileiras Letícia Maia, Desirrê Freitas e Kat Torres, que acusaram a modelo de tráfico humano.

“Vim esclarecer que eu que procurei a delegacia, não fui depor. Fui com o meu advogado Robson Cunha para entrar com uma ação contra as 3 mulheres que, de forma mentirosa, cometeram crimes contra a minha honra”, disse Yasmin. A modelo foi vista em uma delegacia de São Paulo na tarde de quarta (26).

A filha de Luíza Brunet explicou como se envolveu nessa história. “Eu li uma matéria de duas meninas brasileiras que estavam sendo procuradas pela família. Fui atrás da história e vi que a Letícia estava numa live. Pedi para ela mostrar o que estava acontecendo. Ela leu, ficou chateada e encerrou a live”, começou.

“Logo em seguida, a Kat, que está com elas nos EUA, fez um post que me acusou de estar mantendo elas em cativeiro. As duas embarcaram nisso e criaram uma história absurda, sem nexo e sem sentido algum. De que eu as mantinha numa casa com guardas armados na porta”, continuou.

“Começaram com esse crime contra minha honra. Acharam que a internet é terra de ninguém e não tem lei, mas não é essa a verdade”, afirmou. “Esse tipo de acusação não se faz. Elas mesmas se desmentiram, afirmaram que era brincadeira. A Kat me ameaçou fisicamente, de que me encheria de porrada se me visse na rua. Vou fazer questão de mostrar para elas que na internet há regras para serem seguidas. Já entrei com uma ação”, disse.

“Essa loucura vai acabar. Já tomei as previdências. Não vim esclarecer esse assunto antes porque nunca imaginei que isso tomaria a proporção que tomou”, finalizou. Ao R7, a assessoria de Yasmin Brunet enviou uma nota oficial sobre o caso. Confira abaixo o pronunciamento:

“A modelo e influenciadora Yasmin Brunet deu entrada ontem (26) nas ações que visam reparar todos os danos que ela sofreu nas últimas semanas, devido às falsas acusações de tráfico humano. Ela compareceu à Delegacia de Crimes Cibernéticos para realizar, numa esfera criminal, a ação de  responsabilizar as meninas que fizeram todo tipo de acusações levianas, inverídicas e irresponsáveis em relação à honra dela. O delegado identificou ali, de forma preliminar, crimes de calúnia, injúria e ameaça praticados contra Yasmin.

A partir de então, agora, vão ser objetos de um inquérito policial em que vai ser averiguado mais a fundo a ocorrência desses crimes. Concomitante a isso, a modelo também deu entrada na esfera cível nas ações de reparação de dano moral e material. Além de eventuais lucros cessantes, que são os trabalhos que ela possa ter perdido em razão do dano à imagem que ela sofreu.

Tudo isso visa não apenas uma reparação ao dano causado à imagem de Yasmin, mas que as pessoas também passem a ter a noção de que, mesmo sob o pseudo “anonimato”, os ataques que são feitos na internet geram consequências e que existem formas de localizá-las e responsabilizá-las por seus atos.”

Veja a publicação:

OUTRAS NOTÍCIAS