Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Vinte e cinco funcionários do Inep pedem exoneração a menos de duas semanas para o Enem

Vinte e cinco funcionários do Inep pedem exoneração a menos de duas semanas para o Enem

A menos de duas semanas para a aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), 25 funcionários do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) pediram exoneração nesta segunda-feira (8). Inicialmente, 13 tinham solicitado o desligamento. Contudo, outros 12 fizeram o mesmo pedido em seguida.

prova do Enem será realizada nos dias 21 e 28 de novembro. O Inep foi procurado pelo G1 para comentar o desligamento em massa, mas não se manifestou.

As demissões ocorrem dias depois do pedido de exoneração de dois coordenadores ligados à realização do exame. Em setembro, o então diretor de Tecnologia responsável pela versão digital do exame também já tinha pedido para sair.

A Associação dos Servidores do Inep (Assinep) lamentou “profundamente” o fato de o instituto ter “chegado a esse ponto”. Em nota, a instituição disse que os demais servidores que permanecem no Inep vão seguir trabalhando para que as demandas do órgão sejam cumpridas, mas exigiu uma “atuação urgente” do Ministério da Educação (MEC) e do governo federal para resolver o problema.

Segundo o G1, pediram demissão nesta segunda-feira:

Marcela Guimarães Côrtes, coordenador-geral;
Natalia Fernandes Camargo, coordenadora-geral substituta;
Nathalia Bueno Póvoa, coordenadora-geral-substituta;
Vanderlei dos Reis Silva, coordenador;
Gizane Pereira da Silva, coordenadora-substituta;
Hélida Maria Alves Campos Feitosa, servidora pública federal;
Samuel Silva Souza, servidor público federal;
Camilla Leite Carnevale Freire, servidora pública federal;
Douglas Estevão Morais de Souza, coordenador-substituto;
Patricia da Silva Onório Pereira, coordenadora;
Denys Cristiano de Oliveira Machado, coordenador;
Alani Coelho de Souza Miguel, coordenadora-substituta;
Leonardo Ferreira da Silva, coordenador-substituto;
Francisco Edilson de Carvalho Silva, coordenador-geral;
Silvana Maria Lacerda Gonçalves, servidora pública federal;
Andréia Santos Gonçalves, coordenadora-geral;
Victor Rezende Teles, substituto;
Helciclever Barros da Silva Sales, coordenador;
Helio Pereira Feitosa, coordenador;
Saulo Teixeira dos Santos, servidor público federal;
Edivan Moreira Aredes, coordenador-substituto;
Rita Laís Carvalho Sena Santos, coordenadora;
Danusa Fernandes Rufino Gomes, coordenadora-substituta;
Claudia Maria Ribeiro Gonçalves Barbosa Marques, servidora pública federal;
Rosária Duarte Melo, servidor público federal.

Os servidores alegaram, no pedido de dispensa encaminhado à diretoria do Inep, que o motivo da demissão se deve à “fragilidade técnica e administrativa da atual gestão máxima” do órgão e à situação explicitada em um documento divulgado em uma assembleia realizada na quinta-feira (4). O instituto é presidido por Danilo Dupas, que ainda não se pronunciou.

Na assembleia da semana passada, servidores apontaram para o risco à aplicação da prova do Enem 2021 devido ao que classificam de “falta de comando técnico”. Os trabalhadores disseram que a atual gestão promove um “clima de insegurança e medo”.

Eles reclamam que os técnicos do Inep não têm sido ouvidos e a aplicação das provas do Enem está sendo elaborada sem a atuação das Equipes de Incidentes e Resposta (ETIR). Tal decisão, “arbitrária e unilateral”, teria partido de pessoas com cargos de chefia, ligadas à presidência do instituto.

Informações: Folha

OUTRAS NOTÍCIAS