Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Vida de entregador: conheça histórias de trabalhadores que se tornaram ainda mais essenciais na pandemia

Vida de entregador: conheça histórias de trabalhadores que se tornaram ainda mais essenciais na pandemia

Em tempos de Covid-19, os entregadores garantiram que a roda da economia continuasse girando quando tudo desacelerou. E esses profissionais se multiplicaram durante a pandemia.

De cavalo, Camilo Gomes entrega o leite que ele próprio tira para seus clientes na cidade de Gonçalves, Minas Gerais — Foto: Globo Repórter/ Reprodução

De cavalo, Camilo Gomes entrega o leite que ele próprio tira para seus clientes na cidade de Gonçalves, Minas Gerais — Foto: Globo Repórter/ Reprodução

Aos 63 anos, Camilo Gomes é um entregador a moda antiga. De cavalo, leva o leite que ele próprio tira para seus clientes na cidade de Gonçalves, Minas Gerais. Em décadas de trabalho, Seu Camilo sempre foi o provedor da casa e deu aos filhos o estudo que não teve.

Conhecido como Perninha, Airton Menezes roda pelo Centro do Rio de Janeiro há 8 anos — Foto: Globo Repórter/ Reprodução

Conhecido como Perninha, Airton Menezes roda pelo Centro do Rio de Janeiro há 8 anos — Foto: Globo Repórter/ Reprodução

Airton Menezes, de 42 anos, também já está há um tempo no mercado. Há oito roda pelo Centro do Rio de Janeiro entregando água, gelo e bebidas. Conhecido como Perninha, já sofreu dois acidentes graves enquanto trabalhava, mas que não o fizeram desistir da profissão.

“Nada na vida é fácil, tudo tem que ter luta”, afirma Perninha

 

O palco continua na rotina do Tiago — Foto: Globo Repórter/ Reprodução

O palco continua na rotina do Tiago — Foto: Globo Repórter/ Reprodução

Sem apresentações por causa da pandemia, o violinista Tiago Figueiredo Dias, de 28 anos, passou a fazer entregas para conseguir uma renda extra. Ele conta que começou na segunda profissão depois de um trabalho voluntário em um hospital.

“Em maio do ano passado eu tive Covid e, para minha recuperação, comprei uma bike pensando em cuidar da minha saúde. Aí pensei em ganhar uma grana com isso também. Acho que uni o útil ao agradável”, conta.

Além de fazer pizza, João começou a entregar também — Foto: Globo Repórter/ Reprodução

Além de fazer pizza, João começou a entregar também — Foto: Globo Repórter/ Reprodução

Outro que teve que encarar uma dupla jornada por causa da pandemia foi o pizzaiolo João Vasconcelos. Além de fazer a pizza, comprou uma moto e virou entregador de aplicativo.

Já Laís Pereira da Costa levou a mãe, Érica, para a profissão. Com as finanças apertadas, Érica passou a fazer entregas e não se arrepende: “De imediato, estou conseguindo pagar minhas dívidas”.

Érica e a filha, Laís, fazem entregas de patins no Rio — Foto: Globo Repórter/ Reprodução

Érica e a filha, Laís, fazem entregas de patins no Rio — Foto: Globo Repórter/ Reprodução

Não há dados precisos, mas estima-se que sejam mais de 900 mil entregadores em todo o Brasil. A maioria não tem seguro nem garantia trabalhista. Para a socióloga Ludmila Abílio, ao mesmo tempo em que eles se tornaram mais essenciais do que nunca durante a pandemia, os entregadores veem suas condições de trabalho se deteriorarem.

“Você tem uma enorme discussão hoje sobre as regulações desse trabalho. Isso está em disputa no mundo inteiro. Como é que a gente vai reconhecer o estatuto desse trabalhador? Como é que vamos proteger, dar garantias? Assegurar que esse trabalhador não passe 12 horas por dia na rua, 7 dias por semana vivendo com salário mínimo?”, questiona Ludmila Abílio

 

Estima-se que sejam mais de 900 mil entregadores em todo o Brasil — Foto: Globo Repórter/ Reprodução

Estima-se que sejam mais de 900 mil entregadores em todo o Brasil — Foto: Globo Repórter/ Reprodução

A grande maioria dos entregadores não tem seguro e nem garantia trabalhista — Foto: Globo Repórter/ Reprodução

A grande maioria dos entregadores não tem seguro e nem garantia trabalhista — Foto: Globo Repórter/ Reprodução

O repórter Rogério Coutinho e equipe gravam na cidade de Gonçalves, Minas Gerais — Foto: Globo Repórter/ Reprodução

O repórter Rogério Coutinho e equipe gravam na cidade de Gonçalves, Minas Gerais — Foto: Globo Repórter/ Reprodução

Equipe do Globo Repórter em gravação no Rio de Janeiro — Foto: Globo Repórter/ Reprodução

Equipe do Globo Repórter em gravação no Rio de Janeiro — Foto: Globo Repórter/ Reprodução

Janaina Lepri e equipe do Globo Repórter gravam em São Paulo — Foto: Globo Repórter/ Reprodução

Janaina Lepri e equipe do Globo Repórter gravam em São Paulo — Foto: Globo Repórter/ Reprodução

Janaina Lepri grava o Globo Repórter em São Paulo — Foto: Globo Repórter/ Reprodução

Janaina Lepri grava o Globo Repórter em São Paulo — Foto: Globo Repórter/ Reprodução

Informações: G1

OUTRAS NOTÍCIAS