Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Vereadores eleitos negam suposta aposta sobre presidência da Câmara, mas não descartam disputa

Vereadores eleitos negam suposta aposta sobre presidência da Câmara, mas não descartam disputa

Após o resultado das eleições municipais no segundo turno realizado no último domingo (29), em Feira de Santana, que garantiu a reeleição de Colbert Martins Filho (MDB), as atenções da política local passaram a estar voltadas para a Câmara Municipal.

A discussão vem girando em torno do nome que deve ser eleito para a presidência da Câmara, que contou com 62% de renovação neste pleito, a partir do dia 1º de janeiro.

Em conversa com a nossa reportagem, o atual presidente da Casa e vereador reeleito com 4.749 votos, José Carneiro Rocha (MDB), afirmou que não descarta colocar o nome para apreciação novamente.

‘Eu já recebi manifestação de alguns vereadores com o objetivo de lançar a nossa candidatura e se eles querem, vamos encarar e lançar. Se a maioria entender que deve me reeleger, nós vamos continuar, se não, vamos exercer o nosso quinto mandato com orgulho, honra e agradecido pelos votos, esperançoso de que a gente possa cumprir à risca o nosso mandato com dignidade e respeito ao povo da nossa terra’, disse.

De acordo com ele, todos os eleitos têm chances de conquistar o cargo, exercer a função e gerenciar o legislativo.

‘Todos os 21 vereadores eleitos estão aptos e capacitamos a concorrer, votar e serem votados, é um desejo sagrado de cada um. Qualquer ser humano ficaria orgulhoso de ser presidente de uma instituição como a Câmara Municipal da maior cidade do interior da Bahia’, afirmou José Carneiro.

Questionado sobre um possível acordo com o vereador eleito Fernando Torres (PSD), onde quem tivesse mais votos apoiaria a candidatura do outro na presidência da Casa, o atual presidente nega.

‘Eu não faria um acordo sobre quem seria o presidente, nós dois temos que respeitar a opinião dos demais, o que aconteceu foi um ato de brincadeira entre nós, onde dissemos que quem tivesse um voto a mais, apoiaria o outro. Foi uma conversa de bar, nada garante que eu apoiando-o, ele seja o presidente eleito e nem vice versa’, pontua.

Torres, retornando à Casa após ser eleito com 3.179 votos, também descarta a existência de acordo com o vereador.

‘Não houve acordo, não se faz política com aposta, se faz com realidade. Eu não posso colocar o meu futuro em cima de uma aposta, isso não é nem legal, pode ter tido brincadeira desse tipo, mas política é coisa séria, Câmara tem que ser levada a sério’, diz.

Sobre a possibilidade de concorrer ao cargo, Fernando conta que as chances são reais.

‘Estou comemorando a vitória de Colbert, a partir da semana que vem a gente começa a pensar se o nosso nome é um nome bom, ou se vai ter um outro nome. A gente pregou mudança da Câmara e espero que a presidência também seja uma mudança. As pessoas estão colocando meu nome a apreciação, até pelo nosso curriculum, já fui vereador, deputado estadual, federal, secretário do governador, posso muito bem ser. Tem que ver quem dos 21 vai ser melhor, se for, vou colocar meu nome sim’, relata.

Com informações do repórter Joaquim Neto

OUTRAS NOTÍCIAS