Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Vasco nega acidente de trabalho no caso Breno, diz que lesões têm origem no passado e pede perícia

Vasco nega acidente de trabalho no caso Breno, diz que lesões têm origem no passado e pede perícia

Representado por novo escritório de advocacia, troca promovida após descoberta do aumento de R$ 119 milhões em dívidas trabalhistas em 2020, o Vasco se manifestou no processo movido pelo zagueiro Breno. O clube negou ter havido acidente de trabalho, disse que as lesões sofridas pelo jogador têm origem no passado e ainda pediu a realização de perícia médica no atleta.

Foi em 10 de março que Breno ingressou com ação na 71ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro. Ele pediu o pagamento de R$ 13 milhões por conta de salários e direitos trabalhistas não pagos além de indenização. O caso está em fase inicial, e a juíza Kiria Simões Garcia ainda não proferiu sentença.

Breno começou a trajetória em São Januário em 2017, emprestado pelo São Paulo, que aceitou pagar integralmente o salário de R$ 250 mil – na gestão do então presidente Eurico Miranda. O contrato terminaria em dezembro e, um pouco antes (19 de novembro), o atleta teve a primeira lesão no joelho esquerdo – seria operado em 23 daquele mês.

Em janeiro de 2018, as partes acertaram novo vínculo que iria até o final de 2020 – já no mandato do então presidente Alexandre Campello. Mesma remuneração, porém sob responsabilidade do clube carioca. Nesse período, Breno passou por outras quatro cirurgias (três no joelho esquerdo e uma no direito).

Segundo os advogados do atleta, o relatado por Filipe Rino e Thiago Rino, Breno “voltou a treinar com bola e a exercer sua profissão precipitadamente e ainda com dores” em maio de 2018,. O contrato terminou em 31 de dezembro de 2020 e não foi renovado. De acordo com Filipe, o jogador ainda se encontrava em tratamento da última cirurgia, realizada em 14 de novembro de 2019, o que configura, no entender do advogado, acidente de trabalho e obrigatoriedade de ampliar o contrato.

Na defesa assinada pelos advogados Tulio Claudio Ideses, Vinícius Ideses e Marcelo Ideses, o Vasco ressaltou que Breno chegou ao clube com 11 temporadas de carreira profissional e que sofreu a primeira lesão sozinho.

– Não há dúvidas de que as lesões, que infelizmente acometeram o autor, não decorreram de ação ou omissão do reclamado e certamente possuem origem na trajetória profissional do autor, lesões pretéritas, fadiga naturalmente provocada no decorrer de anos de prática de esporte profissional de alto desempenho, bem como o envelhecimento do ser humano, além de outras condições pré-existentes e até mesmo genéticas (…) Resta patente que inexiste acidente de trabalho, estabilidade provisória e qualquer direito a indenização, tal como pleiteia o autor – escreveu o trio de advogados.

Cópia do seguro contratado pelo Vasco a Breno — Foto: Reprodução

Cópia do seguro contratado pelo Vasco a Breno — Foto: Reprodução

O Vasco também apresentou cópia da apólice de seguro de Breno (veja imagem acima) como resposta ao pedido de indenização pela não contratação. Sobre os salários, o clube admitiu estar em atraso nos vencimentos referentes a novembro de 2020, 13º de 2020 e verbas rescisórias. Alegou ainda que pagou seis das 12 parcelas da repactuação de março e abril de 2020.

A última partida de Breno pelo Vasco ocorreu em 9 de agosto de 2018, quando participou da vitória por 1 a 0 sobre a LDU pela Sul-Americana. O jogador não atuou nas temporadas de 2019 e 2020.

Informações: GE

OUTRAS NOTÍCIAS