Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

“Vamos estender a carência de acordo com a retomada da economia pós covid”, diz Presidente do Shopping Popular

“Vamos estender a carência de acordo com a retomada da economia pós covid”, diz Presidente do Shopping Popular

“Vamos estender essa carência de acordo com a retomada da economia pós covid”, afirma o presidente do Consórcio que administra o Shopping Popular Cidade das Compras, o empresário Elias Tergilene.

Na manhã desta quinta-feira (6), o empresário utilizou a Tribuna da Câmara Municipal de Feira de Santana, para esclarecer pontos referente ao contrato de parceria público privado (PPP), e a situação econômica do empreendimento.

De acordo com o presidente do Consórcio, foi realizado um estudo anteriormente para ajustar os valores de condomínio que são cobrados aos comerciantes do local. Elias explicou que o contrato (PPP), em Feira de Santana foi realizado como nas outras cidades: Belo Horizonte, Manaus e São Paulo. 

Elias informou que será realizado a abertura de mil espaços no estacionamento do Shopping, para a instalação de uma feira aos finais de semana no local. “Vamos lançar a Feira de Santa Ana. Vamos criar mil espaços pra feira, que vai ocorrer no estacionamento do Shopping Popular, com a permissão da prefeitura, no momento que puder fazer essa feira. Esses espaços serão direcionados a todos da agricultura familiar, artesanato, food truck. Vamos começar o cadastro, são mil espaços e nós vamos dar três meses de carência, beneficiando assim mais mil empreendedores”, disse o presidente do consórcio.

O empresário agradeceu aos vereadores por terem o recebido e dado a oportunidade de poder esclarecer as dúvidas dos vereadores. “Quero salientar que tem pequenas pessoas que estão retalhando a tudo e a todos nas redes sociais, essa minoria nunca será agradada, precisamos unir forças, quero agradecer ao presidente da Câmara, Fernando Torres (PSD) e ao vereador Paulão do Caldeirão (PSC), por essa oportunidade de esclarecimento, foi muito produtivo, pudemos debater sugestões, como a instalação de vans, de órgãos públicos, de uma associação de lojistas para a gente acompanhar os custos e tudo aquilo que é feito no Shopping Popular,” afirmou o Elias.

Segundo o empresário, a prefeitura investiu 13 milhões de reais no Cidade das Compras e por parte da concessionária foram investidos R$ 80 milhões. 

“Daremos mais alguns meses de carência, pois este é um momento difícil. Vamos fazer um reequilíbrio de contrato, e não podemos deixar esse momento de pandemia massacrar os empreendedores de Feira de Santana. Vamos avaliar mês a mês a evolução da covid e vamos estender a carência de acordo com a retomada da economia”, assegurou o empresário.

Reivindicações

A representante da Associação em Defesa dos Camelôs e Empreendedores do Shopping Popular Cidade das Compras, Alexsandra, conhecida como Leka, se posicionou sobre as declarações do presidente do Consórcio, Elias Tergilene. Segundo ela, os camelôs não possuem condições no momento para efetuarem os pagamentos das taxas cobradas e do aluguel.

“É complicada a situação de não ter vendas, de não ter fluxo nenhum, chegando boleto, tendo que pagar taxa em cima de taxa, gastando nossas reservas, pois com a pandemia não estamos realizando vendas, como antes, eu vendia muito quando estava com meu box na rua”, afirmou a representante.

De acordo com Alexsandra, até o momento não conseguiram conversar com o Prefeito Colbert Martins. “Não queremos ficar lá de graça, apenas queremos uma redução nas taxas, já tentamos conversar diversas vezes com o Prefeito e até hoje não conseguimos contato com ele”, pontuou. 

 

OUTRAS NOTÍCIAS