Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Vacinas da astrazeneca fora da validade foram aplicadas em Feira de Santana

Vacinas da astrazeneca fora da validade foram aplicadas em Feira de Santana

Sete doses da vacina Oxford/ Astrazeneca que estavam fora do prazo de validade foram aplicadas em Feira de Santana. A informação consta no sistema de informações do Ministério da Saúde (DataSUS).

Todas as sete doses com data expirada aplicadas em Feira faziam parte do Lote nº 4120Z005 e tinham vencimento em 14 de abril, segundo o DataSUS. Quatro delas aplicadas pela Rede Frio, duas no Hospital Estadual da Criança e uma no Hospital Geral Clériston Andrade. E conforme o levantamento do jornal Folha de S. Paulo, 70% das doses aplicadas fora da validade no país faziam parte desse lote.

O número do lote e a data de validade de cada dose aplicada podem ser conferidos no Cartão Individual de Vacinação ou no recibo dado pelo local onde a vacina foi aplicada. Caso a pessoa tenha recebido alguma dessas doses expiradas deve procurar o posto de vacinação para que o erro seja corrigido.

Foto: Reprodução/ Folha de São Paulo

De acordo com informações publicadas no jornal Folha de S. Paulo, os dados foram obtidos a partir do cruzamento de dados do DataSUS e Sage, até o dia 19 de junho, quase 26 mil doses vencidas do imunizante foram aplicadas em 1.532 municípios do país, o que compromete a imunização da população.

Além disso, mais 114 mil doses da vacina de Oxford/ Astrazeneca foram entregues aos estados e municípios dentro do prazo de validade.

Conforme a publicação, o DataSUS identifica todas as pessoas imunizadas com um código individual, acompanhado de informações sobre a idade, grupo prioritário de vacinação, data da imunização e lote da vacina recebida. 

Já a data de validade de cada lote consta na base de dados do Sage (Sala de Apoio à Gestão Estratégica). Lá estão contidas as informações sobre os comprovantes de entrega dos imunizantes contra Covid-19 por estado. Em cada um desses recibos há informações públicas sobre o número do lote vacinal, a data de validade, o fabricante e a data de entrega.

O que diz a Fiocruz

De acordo com a Fiocruz em comunicado oficial, parte dos lotes (com numeração inicial 4120Z) é referente aos quantitativos importados prontos do Instituto Serum, da Índia, chamada de Covishield, e entregues pela Fiocruz ao Programa Nacional de Imunizações do @minsaude em janeiro e fevereiro deste ano. Os demais lotes apontados foram fornecidos pela Organização Pan-Americana de Saúde (Opas/OMS).

Todas as doses das vacinas importadas da Índia (Covishield) foram entregues pela Fiocruz em janeiro e fevereiro dentro do prazo de validade e em concordância com o MS, de modo a viabilizar a antecipação da implementação do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19, diante da situação de pandemia.

A Fiocruz informou que está apoiando o Programa Nacional de Imunização (PNI) na busca de informações junto ao fabricante, na Índia, para subsidiar as orientações a serem dadas pelo Programa àqueles que tiverem tomado a vacina vencida.

O que dizem as secretarias de Saúde

Procurada pela reportagem do Acorda Cidade, a Secretaria Municipal de Saúde afirmou que não tem conhecimento sobre as vacinas vencidas.

Já a Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) se manifestou em nota, afirmando que não houve aplicação de doses de vacina contra Covid-19 com data de validade vencida em Salvador e outros municípios.

Segundo a superintendente de Vigilância e Proteção da Saúde (Suvisa), Rívia Barros, os imunizantes foram aplicados no prazo de validade, mas a notificação, o registro no sistema do Ministério da Saúde ocorreu depois da data de vencimento da vacina.

A Sesab acrescentou ainda que pode também ter acontecido um erro de digitação no sistema do MS.

Validade das vacinas

Segundo a Folha de São Paulo, a AstraZeneca e a Pfizer duram até seis meses. A Janssen, com validade original definida em três meses, agora pode ficar armazenada por até quatro meses e meio. A Coronavac tem duração de um ano —o primeiro lote dessa vacina utilizado no Brasil venceria somente em novembro.

Informações: Acorda Cidade

OUTRAS NOTÍCIAS