Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Uva-passa: Conheça a produção da fruta seca que gera discórdia na ceia de Natal

Uva-passa: Conheça a produção da fruta seca que gera discórdia na ceia de Natal

Arroz, panetone, farofa, salpicão…no Natal, quase todos os pratos levam a uva-passa, que, por não agradar a todos paladares, acaba, muita vezes, gerando discórdia entre os membros da família na hora da ceia.

Gostando ou não, a fruta seca é bem conhecida pelos brasileiros, mas não tem quase nenhuma produção no país por causa dos custos elevados para desidratar a uva (entenda mais abaixo).

“Temos apenas pequenas produções feitas por poucas pessoas”, comenta o pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Reginaldo Teodoro de Souza.

Praticamente tudo que é consumido, então, vem de fora. De janeiro a novembro de 2021, o país comprou 20,3 milhões de toneladas de uva-passa, no valor de US$ 28,8 milhões, segundo o Ministério da Agricultura. O órgão não tem dados da produção interna.

Do total importado, 90% veio da Argentina, o que, segundo a Embrapa, se justifica mais pela facilidade de transporte e isenções de tarifas estabelecidas pelo Mercosul (os dois países fazem parte deste bloco).

O país vizinho é o 10º principal produtor mundial de uva-passa, atrás de Turquia, Estados Unidos, Irã, Grécia, Chile, África do Sul, Uzbequistão, Afeganistão e Austrália.

Colher no ponto certo

Uvas precisam ser colhidas maduras para que a uva-passa tenha qualidade. — Foto: TV TEM

Uvas precisam ser colhidas maduras para que a uva-passa tenha qualidade. — Foto: TV TEM

Um dos segredos para que a uva-passa chegue com qualidade à mesa do consumidor é o seu ponto de colheita.

“Você precisar colher a uva madura, como se você fosse consumi-la para a mesa. Isso garante a qualidade, a doçura, o sabor. Se você colher antes, por exemplo, ela fica ácida”, afirma Souza.

Ele explica que a uva-passa tem as mesmas propriedades e benefícios nutricionais que os de uma uva fresca. “A única diferença é que ela é desidratada, perde água”, explica. Após a secagem, a uva-passa fica apenas com 33% do seu peso inicial, detalha o pesquisador.

Já médicos e pesquisadores entrevistados pelo Globo Repórter, em 2015, afirmaram que os benefícios nutricionais da uva-passa são, inclusive, potencializados por conta da perda de água. Segundo eles, o alimento ajuda a prevenir câncer, Alzheimer, Parkinson e demência.

Como as uvas são secas

Há, basicamente, duas maneiras de secar as uvas. Uma delas é deixá-las expostas ao sol, assim como acontece com a secagem do café em terreiro. A outra opção é a secagem em fornos.

Segundo Souza, da Embrapa, o Brasil possui desvantagens para produzir em larga escala por meio dessas duas formas, na comparação com os principais países produtores.

Secagem das uvas em uma propriedade no Vale do Aconcágua, no Chile. — Foto: Reprodução/Globo Rural

Secagem das uvas em uma propriedade no Vale do Aconcágua, no Chile. — Foto: Reprodução/Globo Rural

Quanto à secagem natural, ele afirma que a condição climática ideal é a desértica, que tem temperatura bastante elevada e umidade muito baixa, o que garante uma boa e rápida secagem das uvas. É esse clima, inclusive, que faz a Turquia ser um dos maiores produtores do mundo.

“Embora exista um clima seco no Nordeste do Brasil, não é desértico. Aqui temos mais umidade”, afirma.

Para fazer a secagem, as uvas são colocadas em esteiras ou em plataformas e é preciso revirá-las de tempos em tempos para que elas sequem por todos os lados.

A reportagem do Globo Rural visitou em 2015 uma fazenda produtora de uva-passa no Vale do Aconcágua, no Chile. Na propriedade, as uvas demoram de duas a três semanas para secarem.

Secagem em fornos

Outra alternativa é a secagem das uvas em fornos, porém o elevado custo de energia elétrica no Brasil torna essa opção praticamente inviável, por enquanto, na avaliação de Souza.

“O que acontece é que a uva-passa importada chega bem mais barata aqui. Se a gente for colocar o custo com a secagem no preço [da uva-passa], ela fica muito mais cara do que comprar de fora. A Turquia, por exemplo, consegue produzir em grande quantidade e com custo baixo “, diz o pesquisador.

Fornos utilizados para a secagem das uvas. — Foto: Reprodução/Embrapa

Fornos utilizados para a secagem das uvas. — Foto: Reprodução/Embrapa

Uma das vantagens é que, nesse modelo, as uvas não escurecem, como as que são expostas ao sol.

Antes de entrar nos equipamentos, as uvas são lavadas e recebem um produto que retira a oleosidade da casca. O objetivo é fazer com que a fruta desidrate mais rápido. Depois disso, as uvas são colocadas em bandejas e seguem para os fornos.

Na fábrica que o Globo Rural visitou em 2015, as frutas recebem, antes de irem para as máquinas, uma substância chamada anidrido sulfuroso para que a cor seja fixada. Durante o aquecimento, o químico evapora (veja no vídeo mais acima).

O processo de secagem no forno leva cerca de 90 dias. Após esse processo, tanto as uvas-passas secadas ao sol, quanto as desidratadas nos fornos, são lavadas, centrifugadas e selecionadas.

Informações: G1

OUTRAS NOTÍCIAS