Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

“Única coisa que motiva é o poder e a violência”, diz Wagner sobre presidente Bolsonaro

“Única coisa que motiva é o poder e a violência”, diz Wagner sobre presidente Bolsonaro

O senador e ex-governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), disse em entrevista ao jornal Tribuna da Bahia desta segunda-feira (13), que a pandemia do novo coronavírus mostrou uma face do presidente Jair Bolsonaro que desagradou muita gente. Segundo Wagner, a “única coisa que motiva [Bolsonaro] é o poder e a violência”.

“A pandemia de um lado mostrou, uma face dele que desiludiu muita gente. Inclusive, na minha opinião, algumas pessoas religiosas que o acompanham. Ele mostrou baixíssimo sentimento de solidariedade ao ser humano. Já estamos batendo na casa das 70 mil mortes. E ele continua brincando. “Toma isso, toma aquilo”. Isso choca as pessoas. Ele mostrou a face fria dele. A única coisa que o motiva é o poder e a violência. É uma pessoa que se excita muito com a violência. Fala de guerra civil, morrer 30 mil…Mas, por outro lado, uma coisa que ele não queria e acabou aceitando foi o auxílio emergencial, que evidentemente contribuiu para ele”, disse.

O senador foi questionado se o Partido dos Trabalhadores estava se isolando, deixando de participar dos movimentos democráticos como o ‘Somos 70%’.

“O partido não tem participado desses movimentos democráticos, como o ‘Somos 70%’. O PT está se isolando?  Alguns querem isolar o PT. Há um movimento claro de tentar isolar o PT. Acho que tem contraposição de um lado e ciúme de outro. Acho gozado que ninguém cobra o PSDB nunca ter saído do governo de São Paulo e oferecido a alguém. Então, o problema é que o PT perturba. Fomos 13 anos e meio governo federal e temos uma marca muito forte. As pessoas querem destruir. São mais de 30 anos que o PSDB comanda São Paulo. Ninguém é mais identificado com a luta democrática como o PT. O Lula surgiu na luta contra os governos autoritários. Eles nos cobram autocrítica, mas será que não têm que fazer uma autocrítica sobre o golpe que foi o impeachment de Dilma? “

OUTRAS NOTÍCIAS