Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Uber diz que baniu 1.600 motoristas de aplicativo por excesso de cancelamento de corridas

Uber diz que baniu 1.600 motoristas de aplicativo por excesso de cancelamento de corridas

A empresa de transportes de passageiros por aplicativo, a Uber, baniu 1.600 motoristas que usavam o aplicativo para trabalhar.

A empresa emitiu um comunicado informando que foram cortados da plataforma os motoristas com altas taxas de cancelamento de corridas.

Segundo os termos de uso da Uber, os motoristas são autônomos e podem fazer cancelamentos. Mas a empresa alega que o uso abusivo do recurso estava atrapalhando o funcionamento do serviço.

A Uber não detalha o que é considerado uso abusivo do recurso de cancelamento, mas dá como exemplo um motorista que, em 30 dias, cancelou 10.051 viagens das 10.473 que foram encaminhadas para ele.

Para a Associação dos Motoristas dos Aplicativos de São Paulo (Amasp), o corte dos motoristas é uma retaliação. Aconteceu sem aviso prévio e dias depois do primeiro reajuste no valor das corridas pelo aplicativo desde 2015.

Segundo o presidente da Amasp, Eduardo Lima de Souza, esse reajuste só veio quando aumentou o número de corridas canceladas pelos motoristas. Ele diz que os cancelamentos são a única forma de evitar corridas que dão prejuízo.

No começo do mês de setembro, as corridas foram reajustadas em cerca de 10%. Segundo dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP), entre abril de 2016 e setembro de 2021, o preço médio da gasolina nas bombas subiu cerca de 63%.

Eduardo não consegue confirmar o número de motoristas banidos pela plataforma e compara com um processo de demissão em massa, mas para pessoas que não tem direitos trabalhistas.

Ele sugere que os passageiros ajudem a fiscalizar a remuneração dos motoristas, o que pode ser feito segundos depois de finalizada a corrida. A dica é conferir quanto a pessoa está pagando pela viagem e quanto o motorista está recebendo e se o valor for discrepante, denunciar a empresa de aplicativo ao Procon.

Informações: Agência Brasil

OUTRAS NOTÍCIAS