Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

“Torcia para que fosse mentira”, diz pai de menina de 11 anos morta a socos e chutes

“Torcia para que fosse mentira”, diz pai de menina de 11 anos morta a socos e chutes

O pai de Luna Nathielli Bonett Gonçalves, menina de 11 anos que foi morta em Timbó, no Vale do Itajaí, na quinta-feira (14), viu a filha pela última vez em 2 de março de 2021. Sidival Gonçalves havia feito uma festa de aniversário para ele na ocasião. A data, segundo o homem de 62 anos, é a última lembrança que ele tem da filha viva.

“Eu torcia para que fosse mentira o que estava acontecendo, mas infelizmente, quando eu vi, era pura verdade”, disse.

Segundo a Polícia Civil, a mãe da criança confessou que matou a filha com socos e chutes como forma de punição, já que não aceitava que a filha havia se tornado “sexualmente ativa“. Segundo o atestado de óbito, a criança sofreu politraumatismo.

Gonçalves conta que ficou sabendo da morte da filha na quinta-feira pela manhã, após a notícia se espalhar em Timbó. Logo depois, ele começou a organizar trâmites para o sepultamento da filha, que foi enterrada na manhã desta sexta-feira (15), no Cemitério Municipal Jardim da Paz. O velório ocorreu na Igreja Evangélica Assembleia de Deus.

Luna Nathielli Bonett Gonçalves tinha 11 anos e morreu em Timbó, no Vale do Itajaí — Foto: Reprodução/NSC TV

Luna Nathielli Bonett Gonçalves tinha 11 anos e morreu em Timbó, no Vale do Itajaí — Foto: Reprodução/NSC TV

No sábado (16), a mãe da menina foi presa preventivamente. Além dela, o padrasto da criança também foi detido. A Polícia Civil investiga agora se a menina foi vítima de crime contra a dignidade sexual e qual foi a participação do homem no crime. O homem ficou em silêncio durante o depoimento.

Laudos periciais

De acordo com a laudos médicos e técnicos repassados à Polícia Civil, a menina apresentava diversas lesões pelo corpo, que eram incompatíveis com uma queda de escada. Ela tinha lesões internas no crânio, baço, pulmão, intestino e uma laceração na vagina. O rosto da menina também estava machucado.

A perícia feita na casa onde o crime ocorreu também encontrou marcas de sangue nas proximidades do quarto da criança, sofá, em uma toalha, fronha e em uma calça masculina.

Luna Nathielli Bonett Gonçalves morreu na madrugada de quinta-feira (14) — Foto: Reprodução/NSC TV

Luna Nathielli Bonett Gonçalves morreu na madrugada de quinta-feira (14) — Foto: Reprodução/NSC TV

Depoimentos

Inicialmente, logo após a criança morrer na madrugada de quinta, o casal apresentou a versão de que Luna havia caído de uma escada após tentar resgatar um gato. De acordo com os suspeitos, ela estava consciente após a queda e seguiu realizando as atividades normalmente, até a hora de dormir. Mais tarde, a criança começou a passar mal os bombeiros foram chamados.

O padrasto e a mãe foram intimados a depor novamente, dessa vez acompanhados de advogado. Os dois foram informados sobre os laudos e o padrasto ficou em silêncio. No entanto, a mãe da vítima confessou ter matado sua própria filha.

“Alegou que o motivo seria que a menina tinha um relacionamento afetivo, em que ela teria se tornado sexualmente ativa, o que a mãe não aceitou e por isso agrediu a menina como forma de represália”, informou a Polícia Civil.

O nome do casal e a idade deles não foi divulgado pela Polícia Civil. No relatório do dia do crime, a Polícia Militar informou que o padrasto tem 41 anos e possui passagens policiais por violência doméstica, dano, lesão corporal, estelionato e posse de drogas.

Informações: G1

OUTRAS NOTÍCIAS