Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

“Todo mês é isso”, dizem funcionários das unidades de saúde de Feira, contratados da IMAPS, que enfrentam seguidos atrasos salariais

“Todo mês é isso”, dizem funcionários das unidades de saúde de Feira, contratados da IMAPS, que enfrentam seguidos atrasos salariais
Servidores públicos contratados através da IMAPS, que atuam em unidades de saúde da Prefeitura, em Feira de Santana, estão a dias com atraso nos salários do mês de Janeiro. A informação chegou a redação da TV Caldeirão através de denúncia de uma das funcionárias, que preferiu se manter anônima por medo de represálias.
“A gente trabalha, cumpre nossa missão, mas não recebemos. Todo mês é isso, nunca tem data certa, já chegaram a atrasar quinze dias, mês passado deu dia 15 e ainda não tínhamos recebido, este mês já é 14, e nada, nossas dividas e compromissos não esperam, acumulam, se não temos que pegar empréstimo, vira uma bola de neve, e nisso gera prejuízo com juros, com atrasos”, conta a funcionária.
A secretaria de Saúde tem conhecimento sobre os casos, que já são corriqueiros e todo mês é noticiado da mesma forma. O secretário de Saúde, Marcelo Britto, conhece de perto o drama dos funcionários da Saúde de Feira de Santana, mas se mantêm de braços cruzados.
Segundo a denunciante, a Prefeitura sempre informa que os repasses são feitos no inicio do mês, para serem pagos no quinto dia útil, como todo trabalhador deve receber, mas que a empresa prioriza o pagamento dos funcionários administrativos e de escritório, e os funcionários terceirizados que trabalham nas unidades de saúde ficam esperando para serem pagos no dia que é mais conveniente para a IMAPS, nunca tendo uma data correta.
“Ficamos sabendo que os funcionários do escritório já receberam, eles dão prioridade a pagar o setor administrativo, e nós que estamos na linha de frente, que atendemos a população diretamente, que corremos risco com uma pandemia de Covid, um surto de Gripe, unidades lotadas, pacientes muitas vezes insatisfeitos que descontam na gente por não ter como falar com os culpados diretamente, mas que estamos aqui lutando diariamente para trazer um atendimento de qualidade na medida do possível, cuidamos da saúde da população, ficamos por ultimo. Todo mês é sempre assim, toda vez é a mesma coisa, na hora de receber o que nos é de direito, afinal quem trabalha tem que receber pelo seu trabalho. Para receber, temos que ir a imprensa, fazer manifestação, reivindicar, correr atrás de uma coisa que é nossa, que deveria estar garantido porque trabalhamos para isso, que deveria ser pago na data correta, temos nossos compromissos para honrar”, desabafa.
A situação que se repete mês a mês, reflete diretamente na qualidade do serviço prestado à população, que fica a mercê de greves e paralisações, e por muitas vezes se deparam com a falta de atendimento em algumas unidades, por falta de pagamento aos prestadores de serviço.

OUTRAS NOTÍCIAS