Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Tiago Leifert e Daiana Garbin atualizam sobre o estado da filha Lua

Tiago Leifert e Daiana Garbin atualizam sobre o estado da filha Lua

Tiago Leifert e Daiana Garbin contaram em suas redes sociais que a filha Lua, de 1 ano, segue em tratamento do retinoblastoma, um câncer raro que acontece nas células da retina, e seu estado é estável.

Lua está em tratamento há sete meses, fez algumas sessões de quimioterapia e uma cirurgia.

 

“Ainda é cedo pra gente falar de cura, mas nesse momento o quadro da Lua é considerado estável. A nossa pequenininha passou por muita coisa. Foram sete sessões de quimioterapia intra-arterial , mais uma cirurgia de braquiterapia, que é uma radiação por dentro do olho (…) Ela se recupera super bem, ela é muito forte e aguenta bem”, explicou Daiana.

 

 

Segundo Daiana, todos os meses Lua vai até o Graacc, hospital especializado em câncer infantil, para fazer exames.

Leifert disse que o objetivo de compartilhar informações sobre o tratamento da filha é informar outros pais e que depois do anúncio do câncer de Lua, muitos pais descobriram que seus filhos também estavam com a doença.

 

“O que deixou a gente muito feliz, porque era o objetivo principal: declarar guerra à doença e vencê-la. Quando a gente consegue que crianças vão ao médico antes do que elas iriam normalmente para olhar o olho, melhor para nós. Cada criança é uma vitória para nós. São mais de cinco crianças que foram diagnosticadas precocemente graças ao vídeo da Lua”, contou.

 

 

Retinoblastoma

 

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), o retinoblastoma é um “tumor maligno originário das células da retina, que é a parte do olho responsável pela visão, afetando um ou ambos os olhos”. A doença ocorre, geralmente, antes dos 5 anos de idade.

O principal sintoma é um “reflexo brilhante no olho doente”. As crianças podem ainda ficar estrábicas (vesgas), ter dor e inchaço nos olhos ou perder a visão.

O diagnóstico é feito pelo médico, que realiza um exame do fundo de olho com a pupila dilatada do paciente e, segundo o Inca, não se deve realizar uma biópsia.

 

 

Fonte: g1.globo.com

OUTRAS NOTÍCIAS