Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Thomas Traumann avalia que Bolsonaro quer desgastar eleitor de centro 

Thomas Traumann avalia que Bolsonaro quer desgastar eleitor de centro 

O último 1º de maio, feriado que celebra o Dia do Trabalho, foi marcado por manifestações de duas vertentes:

 

  • centrais sindicais organizaram atos marcados por apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e críticas ao governo Jair Bolsonaro (PL);
  • e apoiadores do presidente se colocaram em defesa do mandatário e de militares – também voltaram a pedir “voto impresso” e a atacar o Supremo Tribunal Federal (STF).

 

As manifestações, segundo a avaliação do analista político Thomas Traumann, têm pautas “incomparáveis”, mas ditam um clima de “amistosos antes do campeonato”.

Montagem com fotos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do presidente Jair Bolsonaro — Foto: Adriano Machado/Reuters e Isac Nóbrega/PR

Montagem com fotos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do presidente Jair Bolsonaro — Foto: Adriano Machado/Reuters e Isac Nóbrega/PR

 

Nas últimas semanas, tanto Lula que é pré-candidato de seu partido nas eleições de outubro, quanto Bolsonaro têm se dedicado a falar às respectivas bases eleitorais. Mas o atual presidente estaria mais disposto a investir em uma polarização, tomando como estratégia o desgaste do eleitor de centro que “se sente órfão” de representação política.

 

“Isso é uma tática que Trump também tentou nos Estados Unidos: tornar a eleição uma coisa tão insuportável que as pessoas não queiram mais saber de política. A tática que Bolsonaro vai tentar nos próximos meses é de radicalizar o discurso”, explica o analista político.

 

“E aí o eleitor de centro pode decidir não votar, ou sair fora da disputa.”

 

 

Agenda de Lula não está posta

 

No episódio #697 do podcast O Assunto, Thomas Traumann ainda diz que Lula comete um erro tático quando não apresenta sua agenda política com clareza, especialmente para os eleitores indecisos.

“A gente tenta entender o que seria um eventual governo Lula, e as respostas são sempre ‘como foram os governos anteriores’, o que não é uma resposta porque, afinal de contas, os desafios que o Brasil tem a partir de 2023 são muito diferentes os desafios que o Brasil teve de 2003 até 2015”, diz.

 

“Por enquanto, a campanha do Lula é: ‘Não sou o Bolsonaro’

Fonte: g1.globo.com

OUTRAS NOTÍCIAS