Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Suspeito de matar onça preta, especie rara em extinção dentro de reserva indígena e divulgar vídeo na internet é preso

Suspeito de matar onça preta, especie rara em extinção dentro de reserva indígena e divulgar vídeo na internet é preso

Um homem foi preso em flagrante após afirmar ter matado uma onça-preta na área indígena Arariboia, no município de Arame, a 476 km de São Luís. A prisão foi feita pela Polícia Civil, na tarde dessa quarta-feira (20), após o caçador ter divulgado nas redes sociais um vídeo em que segura o animal minutos após o abate. Segundo os pesquisadores, essa espécie está ameaçada de extinção.

De acordo com informações da Polícia Civil, o suspeito, que não teve a identidade revelada, foi encontrado com o couro da onça abatida, duas armas de fogo do tipo espingarda, munição calibre 20mm, pólvora e material utilizado na prática de caça de animais silvestres.

O caçador permanecerá à disposição da Justiça e o inquérito prosseguirá. A prisão foi realizada pela Delegacia de Polícia Civil de Arame, vinculada a 23º Delegacia Regional de Buriticupu.

A polícia ainda não deu informações sobre as pessoas que acompanharam o caçador no momento da morte da onça-preta. Uma delas chega a aparecer nas imagens divulgadas nas redes sociais.

Sobre a onça-preta

Você sabe a diferença entre a onça-preta e a onça-pintada? Consideradas os maiores felinos do continente americano, a onça-pintada e a onça-preta são a mesma espécie. Os nomes se devem à diferença na cor da pelagem, essa, que em alguns felinos é substituída pelos tons pretos devido ao melanismo.

O fenômeno, comum em outros felinos, se deve a uma condição genética que provoca excesso de pigmentação, o que faz os animais apresentarem coloração preta.

Mesmo com tonalidade escura, a onça-preta apresenta as rosetas, característica da pelagem que inspirou o nome popular “onça-pintada”.

Com cerca de 1,90 metros de comprimento, o animal, que é solitário e territorialista, chega a pesar 130 quilos. De hábitos noturnos, se alimenta de catetos, capivaras, peixes, queixadas, jacarés, veados e tatus.

A espécie ocorre em áreas de Cerrado, Pantanal e em florestas tropicais das américas Central e do Sul.

Informações: G1

OUTRAS NOTÍCIAS