Suspeita de vazamento de operação da PF para os aliados de Bolsonaro

bolsonaro_nao_e_coisa_de_deus_dispara_secretario_de_rui_costa_widelg_widelg

Assim como a prisão do ex-ministro Milton Ribeiro, a Polícia Federal suspeita que tenha acontecido um mais novo vazamento relacionado com os aliados do atual presidente Jair Messias Bolsonaro.

Os indícios de vazamento vieram após operação que apurava os atos antidemocráticos realizados por Bolsonaro e seus correligionários em todo o país durante as comemorações do 7 de Setembro, data da Independência do Brasil.

Um dos suspeitos, o ex-deputado Sérgio Reis apagou o aplicativo de troca de mensagens Whatsapp antes da ação.

Outro, o ativista Juliano Martins previu o número de alvos que receberiam a visita da PF dias depois, além da identidade de alguns deles.

No dia 20 de Agosto, a Polícia Federal cumpriu mandados de busca e apreensão contra dez alvos. Sérgio Reis e o líder caminhoneiro Marcos Antônio Pereira Gomes, o Zé Trovão, estavam na lista.

Cinco dias antes, Juliano Martins, organizador dos atos do Dia da Independência, trocou mensagens com um interlocutor e escreveu que já tinha conhecimento de que dez integrantes do grupo, entre eles Sérgio Reis e Zé Trovão, seriam alvo de uma operação policial.

O diálogo foi extraído pela PF do celular de Martins. Na conversa, o interlocutor lhe pergunta a respeito de uma notícia sobre a convocação feita pelo cantor Sérgio Reis aos atos do 7 de setembro. “O que vc tem dito sobre isso?”, pergunta. Martins responde: “Q saiu o mandato dele. E do Zé Trovão”.

O interlocutor lhe corrige e pergunta se ele não estava se referindo a um “mandado”, em vez de “mandato”. Martins arremata e diz que se tratava de uma ordem para “prisão”. “Pra ele, Zé Trovão e mais 8”, escreveu o ativista.

A conversa continua, e Martins afirma que estavam tentando descobrir quais seriam os outros alvos e diz que não teve acesso a qualquer documento relacionado à operação. “Não mandaram pra nós, só informaram. (…) O pessoal tá vendo isso em Brasília”.

A conversa continua, e Martins afirma que estavam tentando descobrir quais seriam os outros alvos e diz que não teve acesso a qualquer documento relacionado à operação. “Não mandaram pra nós, só informaram. (…) O pessoal tá vendo isso em Brasília”.

A informação repassada pelo bolsonarista era parcialmente verdadeira: de fato, a PF cumpriu mandados contra dez investigados, entre eles Zé Trovão e Sergio Reis, como previu Martins. Diferentemente do que ele afirmou, porém, não ocorreram prisões, mas, sim, buscas e apreensões em endereços ligados aos suspeitos.

Zé Trovão e Sergio Reis, como previu Martins. Diferentemente do que ele afirmou, porém, não ocorreram prisões, mas, sim, buscas e apreensões em endereços ligados aos suspeitos.

Fonte: bnews.com.br

OUTRAS NOTÍCIAS