Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Shows em bares e restaurantes aumentam risco de disseminação da Covid-19, explica infectologista

Shows em bares e restaurantes aumentam risco de disseminação da Covid-19, explica infectologista

A combinação de aglomerações e o descumprimento de protocolo de segurança sanitária são fatores que potencializam a disseminação do coronavírus Covid-19 durante apresentações de shows musicais. Justamente por isso, o Governo Municipal está adotando medidas que restringem o funcionamento de bares e restaurantes e proíbem a promoção de eventos que atraiam maior público, a fim de preservar vidas dos cidadãos em meio ao crescimento da pandemia.

A coordenadora do Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus, médica infectologista Melissa Falcão, alerta para os riscos das aglomerações em ambientes onde estejam sendo promovidos shows. Todos os lugares onde as pessoas precisam tirar as máscaras têm o risco aumentado de transmissão do coronavírus. Quanto maior o número de pessoas em um ambiente e quanto menos ventilado, maior o risco de aquisição desta infecção”, observou.

A especialista também destaca a necessidade de estar sempre adotando medidas preventivas contra a disseminação da doença em bares e restaurantes. “Logo para frequentar estes ambientes precisamos ter uns cuidados básicos.   Precisamos ver se as mesas estão distantes pelo menos 2 metros entre elas, se o ambiente é ventilado, se os funcionários estão utilizando máscaras e face shield e disponibilizam álcool em gel na entrada e em cada mesa”, alertou.

Alguns fatores pontuais agravam os riscos de contágio em determinados ambientes. “O som ao vivo obriga as pessoas a falarem mais alto e ficarem mais próximas uma da outra para escutar o que o que a outra fala.  Ao falar alto ou cantar em um espaço fechado e principalmente mal ventilado e por muito tempo há um grande risco de transmissão do coronavírus porque são gerados aerossóis, que são partículas pequenas do vírus, que ficam em suspensão no ambiente e que podem contaminar pessoas que estão até a mais de 1 ou 2 metros de distância. Quando nós falamos, lançamos cerca de 10 vez mais partículas de vírus no ambiente do que quando estamos em silêncio. E quando cantamos ou gritamos lançamos até 50 vezes mais partículas no ambiente, aumentando muito o risco de infecções”, revelou a médica Melissa Falcão.

Informações PMFS

OUTRAS NOTÍCIAS