Selfies mataram mais que ataques de tubarão em 2015

RTEmagicC_2da7725c7f.jpg

RTEmagicC_2da7725c7f.jpg

As aparentemente inofensivas selfies já mataram mais que os temidos tubarões em 2015. Até o início de setembro, 12 pessoas morreram em acidentes envolvendo selfies no ano. Enquanto isso, no mesmo período, os ataques de tubarões foram responsáveis por oito mortes. O levantamento foi feito pelo site de tecnologia Mashable.

Russian daredevil Kirill Oreshkin takes a dangerous selfie from an unidentified tower

De acordo com a pesquisa, o principal tipo de acidente ligado às selfies é a queda – um terço das 12 mortes se encaixam nessa categoria. Um dos casos mais noticiados foi o do japonês Hideto Ueda, que morreu após cair durante uma selfie com amigos no Taj Mahal, na India. O turista de 66 anos perdeu a consciência na hora e foi declarado morto ao chegar no hospital. Em maio, uma turista polonesa também faleceu ao cair de uma ponte em Sevilha, na Espanha.

A tentativa de fazer selfies inusitadas também é motivo de algumas das mortes registradas este ano. Há quatro meses, uma russa perdeu a vida ao tentar tirar uma selfie com uma pistola. No País de Gales, uma adolescente romena morreu eletrocutada ao tentar tirar uma foto no alto de uma estação de trem. Na pose, ela levantou uma perna que acabou encostando em um fio de energia elétrica que enviou um impulso elétrico de até 27 mil volts por seu corpo.

Devido às mortes cada vez mais recorrentes, alguns países têm alertado oficialmente sobre os riscos das fotos. O Ministério do Interior da Rússia, por exemplo, lançou em julho um folheto chamando atenção para selfies que “poderiam custar sua vida”. Em entrevista a uma rede de televisão, o ministro chegou a pedir que as pessoas pensem bem antes de tirar uma foto que possa acabar em morte.

OUTRAS NOTÍCIAS