Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Salvador 473 anos: história e curiosidades sobre a primeira capital do país

Salvador 473 anos: história e curiosidades sobre a primeira capital do país

Primeira capital do Brasil, a cidade de Salvador completa 473 anos nesta terça-feira (29). Com encantos turísticos, históricos, religiosos, culinários e culturais, a cidade faz parte dos primeiros passos do desenvolvimento do Brasil.

A região onde hoje se encontra a capital da Bahia, o maior estado do Nordeste, foi um dos primeiros lugares a serem explorados no início da colonização do país. Por volta do ano de 1501, o colono Gonçalo Coelho chegou ao território baiano, que, até então, era habitado por índios Tupinambás. Mais tarde, em 1510, o português Diogo Álvares Correa, também conhecido como Caramuru, se estabeleceu nas terras que se tornaram a cidade de Salvador.

Cerca de 35 anos depois, o local conhecido como capitania da Bahia de Todos os Santos é adquirido pela Corte de Portugal, com o intuito de povoá-la. Com isso, em 1549, inicia-se a construção da cidade de São Salvador, a fim de se torná-la a capital administrativa do Brasil.

A cidade permaneceu como a capital brasileira até meados de 1763, quando o título foi transferido para o Rio de Janeiro. Entretanto, Salvador continuou sendo um local estratégico e economicamente importante para o país, visto que era o ponto principal de ligação das rotas para a Ásia e África, estabelecendo-se como um dos principais pontos do mercado escravocrata.

Esse, inclusive, é um fato que influenciou fortemente a construção da identidade e da cultura da cidade de Salvador. Os negros escravizados que chegavam à cidade trouxeram hábitos e tradições afrodescendentes que passaram a constituir inúmeros aspectos da arte, religião, música, dança e culinária local.

Farol da Barra

farol

Um dos principais pontos turísticos de Salvador, o Farol da Barra foi construído no final do século XVII e substituído por um novo farol em 1839. O cartão postal, que servia de proteção contra ataques de invasores, passou por diversas mudanças ao longo do tempo.

Em 1937, por exemplo, ganhou sua versão eletrificada. No ano seguinte, o Farol da Barra foi tombado pelo Iphan. A história conta que o Farol foi erguido após um naufrágio do Navio Sacramento, que matou centenas de pessoas em 1668.

Dentro dele está instalado o Museu Náutico da Bahia, único do gênero em todo o estado, que reúne acervo de achados arqueológicos submarinos, uma coleção de instrumentos de navegação e sinalização náutica, maquetes e miniaturas. No total, o Farol tem 22 metros de altura e sua luz pode ser vista a 60 km de distância.

Baía de Todos-os-Santos

baia

A maior baía do país e a segunda maior do mundo, atrás apenas do Golfo de Bengala, no Oceano Índico,  tem um mar de águas calmas e cristalinas, coberto em sua volta pela Mata Atlântica. Considerada a Amazônia Azul, dessas águas saem a subsistência de ribeirinhos e pescadores, bem como servem de “piscinas” particulares de píers de prédios de luxo situados no Corredor da Vitória.

Igreja do Nosso Senhor do Bonfim

igreja

Um dos maiores símbolos do sincretismo religioso da Bahia, a Igreja do Nosso Senhor do Bonfim é um dos pontos mais visitados pelos turistas que chegam a Salvador.

Fundada em 1772, a igreja mais popular da Bahia fica no bairro do Bonfim, Cidade Baixa, no local conhecido como Colina Sagrada. O espaço pode ser visitado todos os dias, das 6h30 às 18h. Lá, são oferecidas as tão famosas fitinhas do Bonfim, que servem como um amuleto de sorte e boas realizações para quem visita a Basílica.

Pelourinho

pelo

O Pelourinho é, sem dúvidas, o bairro mais famoso da capital baiana. Localizado na parte histórica da cidade, o bairro foi locação para diversos filmes e, inclusive, um clipe do Rei do pop, Michael Jackson.

Considerado Patrimônio Cultural da Humanidade e tombado pela Unesco em 1985, o Pelô, como é carinhosamente chamado, é repleto de casarões coloridos que se tornam um belíssimo cenário para moradores e turistas. O bairro também é palco de atrações artísticas e culturais, além de contar com diversas lojas, restaurantes, museus, teatros e muito mais.

Mercado Modelo

mercado

Tradicional centro de comercialização de produtos artesanais, o Mercado Modelo da Bahia, situado no bairro do Comércio, dispõe de uma variedade de artigos: redes, instrumentos musicais típicos, entalhes em madeira de inspiração africana, rendas e cestarias da Ilha de Maré, bordados, bijuterias e adereços, objetos de decoração e utilitários. Ao todo, o prédio dispõe de 263 lojas, entre elas, dois restaurantes e diversos mini-bares. O espaço está aberto de segunda a sábado das 9h às 19h, e domingos e feriados das 9h às 14h.

Elevador Lacerda

elevador

Com 72 metros e duas torres, o Elevador Lacerda foi idealizado pelo baiano Antônio de Lacerda em 1869 e levou quatro anos para ficar pronto. Inicialmente, o objetivo do transporte não era apenas ligar a parte baixa e alta de Salvador, mas também facilitar o transporte para o sul, sentido em que a cidade se expandia, articulando o elevador com as linhas de bonde.

É um dos cartões-postais da Bahia e uma atração imperdível para quem visita o Centro Histórico de Salvador. Ele funciona 24 horas por dia e transporta milhares de pessoas por mês.

Circuito Barra-Ondina

barra

Quem busca a capital para curtir a tradicional folia momesca no mês de fevereiro, o circuito Barra-Ondina é parada obrigatória. Palco dos shows dos maiores cantores de Axé da Bahia, o Circuito Dodô, como também é conhecido, tem cerca de 4 km de extensão e vista para a Bahia de Todos os Santos.

Durante o carnaval, maior festa de rua do planeta, ele recebe trios de artistas como Ivete Sangalo, Daniela Mercury, Bell Marques, Claudia Leite e Carlinhos Brown.

Pratos e ingredientes típicos

Como dissemos anteriormente, as raízes africanas também são bastante fortes na culinária típica da Bahia, trazendo ingredientes tradicionais como o leite de coco, o azeite de dendê e a pimenta.

O acarajé é, sem dúvidas, o principal prato da culinária baiana. É feito com um bolinho de feijão-fradinho frito no azeite de dendê e recheado com vatapá, caruru, vinagrete e camarão.

Outros pratos típicos da culinária da cidade têm como base os ingredientes de origem africana e frutos do mar, como o bobó de camarão e a moqueca baiana. Com informações do Tripadvisor. 

Informações: BNews

OUTRAS NOTÍCIAS