Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Religiosos tentam impedir aborto de criança vítima de estupro

Religiosos tentam impedir aborto de criança vítima de estupro

Após um processo judicial para ter o  aborto realizado, a defensoria pública da Bolívia confirmou na segunda-feira (8) que a menina de 11 anos, que engravidou pelos  estupros contínuos cometidos pelo pai de seu padrasto, interrompeu a gestação. O caso se tornou uma polêmica nacional e a igreja católica figurava como uma das protagonistas da discussão.

Durante nove meses, a criança foi  vítima de abuso sexual cometido pelo pai do atual companheiro da sua mãe. O crime e a gestação só foram descobertos quando a menina falou que sentia “movimentos estranhos” na barriga. Através de exames médicos, foi verificado que ela estava com 21 semanas de gestação.

Uma tia da menor apresentou queixa contra o agressor, que foi detido em prisão de segurança máxima. Ao mesmo tempo, foi feito um pedido de interrupção legal da gravidez para a criança.

Quando o caso ganhou notoriedade, a igreja católica e grupos pró-vida iniciaram um debate intenso com entidades de proteção de menores, que defendiam o direito constitucional da menina em abortar. O caso da criança é amparado pela lei desde 2014, que prevê a interrupção da gravidez em casos de estupro, estupro de menor de idade, incesto ou se a gestação colocar em risco a vida ou saúde da mãe.

Mesmo assim, a intensa cobertura da imprensa e a pressão de grupos antiaborto fizeram a menina e sua mãe desistirem de interromper a gravidez, contou a defensora Nadia Cruz à BBC News Mundo, serviço de notícias em espanhol da BBC.

No momento em que recebeu alta hospitalar, a menina foi levada para um centro de acolhimento da igreja católica, pois a instituição havia se comprometido a cuidar da menor e do filho não nascido.

A defensora explicou que o Tribunal de Garantias ordenou que uma equipe técnica fosse formada para assegurar a saúde física e mental da criança. “A decisão que tomaram não deveria ser pública porque afeta o futuro da menor e todos os julgamentos que existiram em torno da menina”, enfatizou Cruz.

Processo contra a igreja

O escritório da Defensoria Pública da Bolívia entrou com processos penais contra todos que exerceram pressão indevida contra a decisão da menina. “Estamos entrando com uma ação penal contra as defensorias de crianças e adolescentes de Yapacaní e Santa Cruz, a equipe médica e de enfermagem do Hospital Percy Boland, a ONG e o Arcebispado de Santa Cruz que intervieram, e também contra a mãe, pelos delitos, no que corresponda, de violação de deveres, desobediência às resoluções constitucionais e tráfico de pessoas”, afirmou Cruz na ocasião.

O objetivo é que os responsáveis sejam punidos com penas de 15 a 20 anos de prisão, pois a vítima é menor de idade.

Segunda-feira (8), a defensora disse que o Tribunal de Garantias pediu à prmotaria que informe a cada 5 dias “sobre o andamento e investigação dos atos ilícitos de ingerência da Igreja Católica”. De acordo com Cruz, “depois da primeira decisão que a menor tomou para interromper a gravidez houve uma junta médica”, que não foi solicitada por ninguém e da qual a Igreja participou sem explicação.

A comissão teria definido, sem consultar a menor nem a mãe desta, pela suspensão da intervenção, inclusive usando um medicamento para a suspensão que colocava em risco a vida da menor, disse a defensora. Ela afirmou ainda que a promotoria já possui as provas apresentadas pela defensoria da ingerência ilegal neste caso.

OUTRAS NOTÍCIAS