Rádio Cultura celebra 73 anos de história e contribuição para a cidade

DSC_3932

No dia 28 de setembro de 1950, surgia em Feira de Santana a Rádio Cultura, uma instituição que ao longo dos anos se tornou parte da vida dos feirenses. Nesta quinta-feira (28) a emissora celebra 73 anos de fundação.

Fundada por Eduardo Fróes da Mota, a Rádio Cultura foi pioneira, tornando-se a segunda emissora de rádio a se estabelecer em Feira de Santana. Seus programas de auditório e rádio-teatro marcaram uma era, cativando a audiência local. Com o passar do tempo, a emissora evoluiu, consolidando-se como referência não apenas em entretenimento, mas também em jornalismo.

Ao longo de sua trajetória, a Rádio Cultura passou por transformações significativas, refletindo as mudanças tecnológicas e a dinâmica do meio de comunicação. Em 26 de julho de 1985, reabriu suas portas, migrando para a frequência FM (107,1) e, desde 1994, integra o grupo de rádio e televisão Rede Record. Os estúdios, situados no coração da cidade, na Rua Castro Alves, 868, são o epicentro dessa jornada radiofônica.

Atualmente, a direção da emissora está sob a liderança do pastor Ronaldo Klento de Jesus Camelo, que tem mantido viva a chama da tradição e ao mesmo tempo direcionado a Rádio Cultura para novos horizontes. 

No cenário atual, a Rádio Cultura destaca-se pelo seu forte engajamento no segmento gospel, oferecendo programação que toca os corações dos ouvintes não apenas em Feira de Santana, mas em toda a região metropolitana. A expansão da audiência também é impulsionada pela transmissão via Internet, disponível através do aplicativo da Rede Aleluia.

Ao comentar sobre a importância contínua da Rádio Cultura, o prefeito de Feira de Santana, Colbert Martins Filho, enfatiza a contribuição da emissora para a história da comunicação local. “A Rádio Cultura não é apenas uma emissora, é um patrimônio histórico que ajudou a moldar a identidade comunicativa de nossa cidade ao longo de sete décadas. Seus programas pioneiros, sua capacidade de adaptação às mudanças tecnológicas e a dedicação de seus profissionais são elementos essenciais na construção da narrativa comunicativa de Feira de Santana”, considera.

A secretária de Comunicação Social, Renata Maia, observa que a Rádio Cultura representa um pilar fundamental na construção da identidade comunicativa da cidade, influenciando positivamente a cultura local e conectando as pessoas por meio da sua programação. “A Rádio Cultura transcende sua função como veículo de comunicação e se torna um verdadeiro agente de integração social”, observa. 

Secom

OUTRAS NOTÍCIAS