Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on google
Share on email
Share on linkedin

Programa Caldeirão em Ação “Tira ou Deixa no Caldeirão” com o Vereador Emerson Minho

Programa Caldeirão em Ação “Tira ou Deixa no Caldeirão” com o Vereador Emerson Minho

Na manhã deste domingo (13), no Programa Caldeirão em Ação, na Rádio Subaé 1080, foi realizado o quadro “Tira ou Deixa no Caldeirão” ao comando de Paulão do Caldeirão, com a presença do vereador e Emerson Minho.

O primeiro a sair do Caldeirão, foi a CPI das cestas básicas de Feira de Santana. “A CPI é uma comissão que apenas trouxe a tona um assunto que foi muito falado na cidade e nós apenas queremos ver ao final dessa investigação qual será a conclusão”, afirmou.

O edil, tirou do Caldeirão o governador Rui Costa. “Existe algumas falhas, mas eu tiro ele do caldeirão pois é um grande administrador, não é 100%, mas dá para tirar do caldeirão”, pontuou.

“Tiro do caldeirão o ex-prefeito José Ronaldo, ele é uma pessoa de voz mansa e aprendi muito sobre politica com ele, é uma pessoa que cumpre tudo que fala, e pelo o que o mundo politico fala dele eu o tiro do caldeirão”.

O edil tirou do caldeirão o ex-prefeito de Salvador, ACM Neto. ” Tiro do caldeirão por muitas politicas públicas que desenvolveram e ele conseguiu dialogar com o governador, eles sentaram e dialogaram para ver o que era o melhor para comunidade”, disse o edil.

Emerson, tirou do Caldeirão o ex-presidente Lula. “Até por ser da lei, se houve ou não crime de fato não foi materializado, se fosse nos Estados Unidos quem estaria preso era o Juiz Sergio Mouro, pois foi tendencioso, não existiu imparcialidade”, afirmou.

“Tiro do caldeirão o ex-prefeito Tarcísio Pimenta, ele investiu na saúde e na educação, por isso eu o tiro do caldeirão”.

O vereador não tira do caldeirão o atual Presidente Bolsonaro. “Não compactuo com a política de Bolsonaro e então não o tiro do caldeirão, ele é o único presidente que vai contra a ciência, anda sem máscara e provoca aglomerações”.

Emerson não tirou do caldeirão o secretário de comunicação, Edson Borges, “Acho que falta da imprensa da prefeitura uma maior cobertura da Casa e da CPI de uma forma imparcial, então ficou a desejar neste ponto, afirmou o edil.

Não tirou do caldeirão o secretário de governo, Denilton Brito. “Ele não atende as ligações, eu esperava respostas e não obtivemos uma resposta, talvez por falta de autonomia”.

O vereador não tirou do caldeirão o colega edil, Lulinha. “Eu até gosto dele como pessoa, mas alguns assuntos que são favoráveis a população ele não quer que passe e ele é muito agoniado e as vezes acaba se atrapalhando. 

Emerson não tirou o vereador Pastor Valdemir. “Eu o considero muito, mas durante as sessões da CPI ele ficava querendo atrapalhar, me desconcentrar, e também em alguns projetos  de benefícios para o povo ele não vota a favor”, explicou.

“Tenho pouca aproximação com ele, mas ele colocou um projeto para beneficio próprio com tanta agilidade e quando é para o povo demora tanto para dar prosseguimento”, disse sobre o procurador do Município, Moura Pinho.

“Eu apoiei o deputado Zé Neto durante as eleições, mas não o tiro do caldeirão, estou falando da pessoa politica dele, se ele ouvisse mais o povo ele seria o prefeito de Feira”, afirmou. 

O vereador Emerson não tirou do caldeirão o prefeito Colbert Martins. “Não o tiro do caldeirão em principal pela falta de diálogo, nossos requerimentos e indicações não são respondidos, além dos Projetos aprovados na Câmara que o prefeito não sanciona”, encerrou o edil. 

OUTRAS NOTÍCIAS