Procon orienta consumidor a evitar juros e multas durante greve dos bancos

Procon orienta consumidor a evitar juros e multas durante greve dos bancos

greve-bancos

Buscar meios alternativos para realizarem seus pagamentos de contas e boletos. Essa é a orientação do Procon de Feira de Santana para que o consumidor passe pela greve dos bancários sem grandes transtornos por conta de juros e multas em boletos. A superintendente do Procon, a advogada Suzana Mendes, falou sobre o assunto alertou o consumidor.

“A gente tem que lidar com esses compromissos, então o maior problema em relação aos consumidores diz respeito a pagamento de faturas, é a maior reclamação registrada no órgão. A recomendação que damos às pessoas é que procure meios alternativos para pagamento, a gente lojas, por exemplo, que oferecem os cartões de crédito daquelas lojas, lojas de departamento e supermercados já fazem isso, e com esse cartão você pode ir a qualquer momento fazer esse pagamento lá, então não justifica não fazer esse pagamento alegando greve dos bancos, a gente não tem conseguido tirar multas e juros nesses casos”, afirmou.

Suzana Mendes completou: “em relação ao financiamento de carros, imóveis, cartão de crédito e só paga nos bancos mesmo, procure formas alternativas, outros tipos de pagamento, correspondentes, lotéricas, entre em contato com a sua financeira, atualize o boleto para que possa pagar na lotérica, tudo isso é válido. Guarde sempre o protocolo, a conversa, o e-mail, porque passada a greve o consumidor provando que tentou fazer o pagamento por todos os canais e não conseguiu, entrou em contato com a sua financeira e eles não inviabilizaram o pagamento, aí sim o Procon consegue tirar multa, porque o consumidor não pode pagar por um erro do banco, do funcionário”, explicou.

Segundo a superintendente, o pagamento de fatura é a reclamação mais recorrente durante as greves realizadas pelos bancários. “Ano passado durante a greve dos bancos recebemos muitas pessoas aqui e não conseguimos tirar as multas e os juros, eram devidos, tiveram que pagar porque tinha outros meios de pagamento”, disse.

Suzana Mendes alerta para um outro problema: a compensação de cheques durante o período de greve. “Já compensação de cheques, para que as pessoas continuem movimentando suas contas, é um serviço essencial. A gente só encontra com relação a uma bandeira, que é a Caixa Econômica Federal, que nas últimas greves eles bloquearam a opção de depósito em suas agências porque as lotéricas atendem esse serviço, mas o Procon tem ido de encontro, tem lutado, porque o Procon entende que a lotérica não supre totalmente a necessidade desse consumidor que tem conta na Caixa Econômica Federal porque na verdade a lotérica não recebe cheques, tem limite de valor diário, tem várias discussões, mas enquanto não resolve, tem que procurar formas alternativas de resolver o problema”, pontuou.

A advogada salienta que o Procon continua a fiscalização nas agências, mesmo durante a greve. “No período de greve não suspendemos a fiscalização, então de regra, o Procon visita todas as agências pela manhã para verificar se tem os envelopes para depósito, quando a gente não encontra, entramos em contato com os gerentes para regularizar a situação. Alguns alegaram que era o sindicato, não sei se é verdade o mentira, é obrigação do banco. Ainda que alguém do sindicato ou mesmo um consumidor retire e pegue todos os envelopes, ele tem que estar repondo, precisa ter alguém pra prestar esse serviço essencial”, destacou.

OUTRAS NOTÍCIAS