Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin

Privatização da Eletrobras deve acontecer em junho ou julho

Privatização da Eletrobras deve acontecer em junho ou julho

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, afirmou nesta sexta-feira (22) que a tendência é que a privatização da Eletrobras aconteça em junho ou julho deste ano, após o adiamento no Tribunal de Contas da União (TCU).

O TCU adiou por 20 dias o julgamento da segunda e última etapa do processo da Eletrobras, estatal que atua nas áreas de geração e transmissão de energia.

O governo aguardava o aval definitivo do tribunal neste mês de abril, a fim de viabilizar a privatização até 13 de maio, data-limite considerada ideal pelo governo federal.

Com o adiamento, o ministro Bento Albuquerque confirmou que o cronograma do governo precisará ser revisto. Ele disse que espera que o tribunal dê o aval no dia 11 de maio, quando o processo deve retornar à pauta.

“A decisão do processo [no TCU] de entrar na pauta em até 20 dias vai obrigar ajuste no cronograma para oferta de ações. Vamos aguardar o dia 11 de maio, que parece ser a data que vai ocorrer a apreciação”, afirmou a jornalistas nesta sexta.

Ele afirmou, que uma vez dado o aval do TCU, será possível realizar a capitalização até julho. “Entendemos que vamos sim realizar essa capitalização, ou no final deste primeiro semestre ou em julho deste ano”, disse Albuquerque.

O ministro foi questionado se a proximidade com as eleições poderia prejudicar a operação. Ele negou.

Capitalização

 

O governo optou por realizar a privatização na forma de uma capitalização, ou seja, a União vai oferecer novas ações da Eletrobras na bolsa de valores e, com isso, deixará de ser a acionista controladora da empresa.

Quando o processo for concluído, a estatal se tornará uma empresa sem controlador definido.

TCU

 

O processo de privatização da Eletrobras está em análise no TCU desde setembro do ano passado. A pedido da área técnica, o tema foi dividido em duas etapas.

A primeira etapa já foi aprovada pelo TCU em fevereiro. Na ocasião, os ministros analisaram o bônus de outorga que, após a privatização, a Eletrobras deverá pagar à União pela renovação dos contratos das 22 usinas hidrelétricas da empresa.

Nesta segunda fase, agora em julgamento, o tribunal avalia o modelo de venda proposto pela União, incluindo faixa de valor das ações a serem ofertadas na bolsa de valores.

O relator do processo no TCU, ministro Aroldo Cedraz, apresentou na quarta (20) voto favorável à privatização. Os demais ministros ainda vão apresentar seus votos. Jorge Oliveira e Walton Rodrigues sinalizaram que vão acompanhar o relator.

Já o ministro Vital do Rêgo deve apresentar voto divergente. Na sessão de quarta, ele teceu críticas ao processo, disse que a Eletrobras foi subavaliada e que a privatização pode resultar no aumento da conta de luz, impacto que o governo não projetou.

Fonte: g1.globo.com

OUTRAS NOTÍCIAS